A+ / A-

União Europeia investiga Amazon por suspeitas de concorrência desleal

17 jul, 2019 - 13:50 • Agência Reuters

A Amazon, a Google e o Facebook estão entre as gigantes tecnológicas norte-americanas na mira de queixas de rivais mais pequenos.
A+ / A-

A Amazon tornou-se esta quarta-feira alvo de uma investigação pela Autoridade da Concorrência da União Europeia pela utilização que tem feito de dados dos comerciantes que usam a plataforma, inquérito esse que deixa a descoberto o crescente escrutínio do regulador sobre como as grandes empresas tecnológicas estão a explorar as informações dos seus clientes.

A Amazon, a Google e o Facebook estão entre as gigantes tecnológicas norte-americanas na mira de queixas de rivais mais pequenos e de académicos que estudam o fenómeno, levando entidades reguladoras da concorrência em todo o mundo a analisar a forma como utilizam os dados de clientes para aumentar o seu poder de influência no mercado.

No âmbito do inquérito hoje anunciado, a Comissão Europeia tem estado a recolher informações junto de comerciantes e produtores desde setembro passado, particularmente sobre a forma como a Amazon desempenha um duplo papel enquanto comerciante e enquanto concorrente. Os comerciantes queixam-se de estarem a ter resultados maus nos seus negócios porque a Amazon tem estado a copiar os seus produtos.

Aos jornalistas, a comissária para a Concorrência, Margrethe Vestager, que tem poderes para multar empresas como a Amazon ematé 10% do seu total de receitas globais, explicou que a investigação em curso tem duas vertentes.

Em primeiro lugar, pretende perceber a fundo os acordos-base firmados pela Amazon com os comerciantes que usam a plataforma para os seus negócios. O segundo objetivo é apurar como é que a gigante tecnológica usa os dados de cada comerciante para escolher a quais atribui o carimbo 'caixa de compra', que permite aos consumidores acrescentar diretamente produtos de determinados comerciantes ao seu carrinho de compras.

Segundo Vestager, este é um assunto sério dado que há cada vez mais cidadãos europeus a fazer compras online.

"O e-commerce [comércio eletrónico] aumentou a concorrência no setor a retalho e trouxe mais oferta e melhores preços. Temos de garantir que as grandes plataformas que operam na internet não eliminam estes benefícios através de comportamentos de concorrência desleal."

A Amazon já fez saber que vai "cooperar totalmente" na investigação europeia, isto depois de ter informado os jornalistas que alcançou um acordo com a Autoridade para a Concorrência da Alemanha para rever os seus termos de serviço em acordos com terceiros comerciantes.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.