A+ / A-
Justiça

Procuradoria pede pena máxima para Diana Fialho e Iuri Mata

12 jul, 2019 - 17:27 • Redação

Ministério Público quer 25 anos de prisão para casal acusado de matar a mãe adotiva da arguida em setembro de 2018.
A+ / A-

O Ministério Público pediu, esta sexta-feira, que seja aplicada a pena máxima de 25 anos de prisão a Diana Fialho e Iuri Mata, o casal acusado de matar a mãe adotiva da arguida, Amélia Fialho, de 59 anos, a 1 de setembro de 2018.

O pedido foi feito esta tarde pelo procurador a cargo do processo na terceira e última sessão do julgamento.

Nas alegações finais, no Tribunal de Almada, o procurador Moreira da Silva considerou que o homicídio foi efetuado "de forma maquiavélica, com requintes de barbárie", e que a prova testemunhal é "arrasadora para os arguidos".

Diana Fialho e Iuri Mata falaram esta sexta-feira pela primeira vez em julgamento, cuja sentença será conhecida no dia 19 deste mês, próxima sexta-feira. Acusados de homicídio qualificado e profanação de cadáver, os arguidos não assumiram a autoria dos presumíveis crimes.

A defesa de Diana Fialho pede a absolvição da arguida com base no princípio “in dubio pro reo” – ou seja, na dúvida, a decisão deve ser favorável ao réu.

Amélia Fialho terá sido drogada e morta à martelada em casa, carregada para um carro e queimada num terreno descampado no Montijo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.