A+ / A-
Justiça

Relação de Lisboa volta a anular decisão de juiz Ivo Rosa no caso EDP

11 jul, 2019 - 19:50 • Lusa

Os emails apreendidos na "Operação Marquês" e no caso BES vão poder assim ser utilizados no processo EDP.

A+ / A-

O Tribunal da Relação de Lisboa voltou esta quinta-feira a revogar a decisão do juiz de instrução Ivo Rosa de que os emails apreendidos na "Operação Marquês" e no caso BES não podiam ser utilizados no processo EDP.

A Relação de Lisboa já tinha tomado uma decisão no mesmo sentido em fevereiro, mas esta foi anulada após uma contestação dos arguidos, tendo o tribunal voltado a reapreciar o caso.

Na altura, a defesa do presidente da EDP, António Mexia, e do presidente da EDP Renováveis, João Manso Neto, arguidos no caso EDP, argumentou que o relator do acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa (TRL), Ricardo Cardoso, é casado, desde 9 de novembro de 2002, com a juíza desembargadora Anabela dos Santos Simões de Figueiredo Cardoso, que, segundo os advogados, interveio como juíza desembargadora adjunta num recurso que declarou a nulidade de um outro despacho de Ivo Rosa no caso EDP/CMEC.

Agora, a Relação de Lisboa mantém o mesmo entendimento da anterior decisão do desembargador Ricardo Cardoso.

Os juízes desembargadores Ricardo Cardoso (relator) e Artur Varges tinham dado razão ao recurso do Ministério Público (MP) e decidiram revogar a decisão do juiz de instrução criminal Ivo Rosa de maio de 2018.

O juiz proibia o MP de utilizar dados bancários e fiscais do presidente da EDP, António Mexia, e da EDP Renováveis, João Manso Neto, no inquérito relacionado com suspeitas de corrupção e favorecimento à EDP na questão da introdução dos Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC), uma das maiores fontes de receita e de lucro da EDP em Portugal.

Os desembargadores da Relação revogaram a decisão de Ivo Rosa por entenderem que se verificaram "nulidades insanáveis" que "fulminam" a decisão então tomada pelo juiz de instrução no processo que visa os antigos responsáveis da EDP.

No acórdão proferido esta quinta-feira, a que a agência Lusa teve acesso, a Relação declara que "o despacho proferido pelo juiz de instrução, sobre a promoção do Ministério Público, que autorizou a transferência dos elementos de prova, mostra-se suficientemente fundamentado, não suscitando qualquer dúvida, dando a conhecer o sentido da decisão, pelo que não enferma de irregularidade, não merecendo qualquer reparo".

"Cumpre finalmente julgar procedente o recurso interposto pelo MP, revogado totalmente o despacho recorrido, embora com fundamentação parcialmente diversa, padecendo a decisão recorrida das apontáveis nulidades insanáveis de incompetência do tribunal".

O TRL conclui que, "face ao exposto", os juízes acordam "conceder provimento ao recurso" do MP, "revogando na integra o despacho recorrido".

O inquérito EDP/CMEC visa "a investigação de factos subsequentes ao processo legislativo, bem como aos procedimentos administrativos relativos à introdução no setor elétrico nacional dos CMEC (Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual).

Investiga crimes de corrupção e participação económica em negócio na área da energia, e envolve os presidentes da EDP e da EDP Renováveis, mas também João Faria Conceição, administrador da REN e antigo consultor do ex-ministro Manuel Pinho, Pedro Furtado, responsável de regulação na empresa gestora das redes energéticas, Rui Cartaxo, que entre 2006 e 2007 foi adjunto de Manuel Pinho, Pedro Resende e Jorge Machado, que foram vogais do conselho de administração da EDP.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • J M
    12 jul, 2019 Seixal 18:56
    Há juízes que deviam ir presos e este é um deles. A polémica sobre a sua nomeação para o processo"Operação Marquês" está a vir ao de cima. Triste democracia esta onde existem juízes que fazem tudo para ilibar uma seita de vigaristas que anda à décadas a dilapidar o país.