A+ / A-

A legislatura 'morreu', viva a legislatura. Os 'memes' do debate do Estado da Nação

10 jul, 2019 - 20:20 • Daniela Espírito Santo

Recorde as frases mais memoráveis de uma tarde em que se passou em revista os quatro anos da geringonça, no Parlamento.
A+ / A-

A ideia era debater os últimos 12 meses de governação, mas o debate do estado da Nação, que decorreu esta quarta-feira no Parlamento, acabou por ser, mais do que outra coisa, uma avaliação da chamada geringonça, já a pensar nas próximas eleições legislativas de outubro.

Embaladas no timbre da futura campanha eleitoral, as principais figuras da política portuguesa deixaram a sua opinião sobre o Governo liderado por António Costa. O primeiro-ministro foi, de resto, o primeiro a defender os últimos quatro anos de governação, assegurando que o país "recuperou a dignidade, a autoestima, o respeito internacional e encara o futuro com otimismo".

[clique nas setas para ver as galerias completas]

Na oposição a opinião diverge. Os restantes elementos da geringonça defendem o seu papel naquilo que correu bem, deixando recados ao Governo sobre o que correu mal. Já o CDS-PP e o PSD, naturalmente, discordam da abordagem positiva, salientando que o primeiro-ministro "é excelente a anunciar, péssimo a fazer" e que o Governo atual se limitou a "desfazer reformas anteriores".

Cristas foi mais longe e deixou recado ao PS e PSD, dizendo que o CDS-PP teve o encargo "quase exclusivo" da oposição em "muitos casos". Por sua vez, o PSD focou-se em Costa, garantindo que o primeiro-ministro governa "em modo reality show". Socialistas e Centeno, por sua vez, não têm dúvidas: esta foi a legislatura da "vitória da confiança" e os "velhos da Lapa e do Caldas estavam errados". A legislatura da geringonça 'morreu', viva a legislatura.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.