A+ / A-

PCP e BE disponíveis para negociação final. “É possível salvar a lei de bases da saúde" e a legislação laboral

10 jul, 2019 - 01:23 • Susana Madureira Martins , com redação

Desafio ao PS foi deixado pelo comunista António Filipe e pelo bloquista Pedro Filipe Soares, em declarações à Renascença.
A+ / A-

O PCP e o Bloco de Esquerda (BE) estão disponíveis para uma negociação final com o PS sobre a lei de bases da saúde e a legislação laboral, matérias que ainda estão em discussão no Parlamento.

Em dia de debate sobre o estado da Nação, o líder parlamentar bloquista, Pedro Filipe Soares, diz à Renascença que vai tentar até à última votação na especialidade que ambos os diplomas sejam aprovados.

“É possível ainda haver uma salvação da lei de bases da saúde. Nós ainda estamos disponíveis para fazer esse caminho. Não há ainda uma resposta do PS ou do Governo sobre a matéria, mas é um debate importante. Sobre o Código do Trabalho, é possível ainda devolver direitos que foram levados pela troika neste período final? Nós tentaremos até à última das votações que isso seja possível. São os debates políticos ainda em curso e não são de menor importância, são relevantes.”

No mesmo sentido vão as declarações do deputado do PCP António Filipe. Até o Parlamento fechar para férias há discussão, inclusive, durante o debate sobre o estado da Nação que se realiza esta quarta-feira à tarde, no Parlamento.

“Até ao dia 19, há questões que estão em discussão, em comissão, e prosseguirão. A legislação laboral está em discussão, a lei de bases da saúde também. Em relação à lei de bases da saúde continuamos a trabalhar para contribuir para que haja uma solução que torne claro o caráter público do Serviço Nacional de Saúde”, afirma António Filipe nestas declarações à Renascença.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.