|
A+ / A-

Ministério Público investiga alegado esquema do BES para financiar campanha de Cavaco

04 jul, 2019 - 13:42 • Filipe d'Avillez

A investigação levada a cabo pela revista “Sábado” sugere que altos quadros do BES montaram um esquema para contornar a lei do financiamento da candidatura de Cavaco Silva. Em causa estão donativos de 253 mil euros que terão sido reembolsados pelo BES.

A+ / A-

Donativos supostamente privados à campanha de Cavaco Silva para o seu segundo mandato na Presidência da República, feitos por altos quadros do Banco Espírito Santo (BES) e seus familiares, terão sido reembolsados pelo Banco, segundo uma investigação levada a cabo pela revista Sábado.

No artigo que faz a manchete da edição desta semana da revista apresentam-se dados que mostram que a campanha de Cavaco Silva recebeu um total de 253 mil euros, no total, de pessoas da órbita do grupo financeiro.

Nos meses seguintes todas essas pessoas acabam por receber, em offshores por elas controladas, transferências no valor exato do donativo feito para a campanha, oriundas da ES Enterprises, que segundo a revista serviria de saco azul para fazer pagamentos que não apareciam depois nas contas oficiais do banco.

Várias das pessoas alegadamente envolvidas admitem que fizeram donativos mas recusam a insinuação de que receberam o dinheiro de volta.

A questão é importante porque a lei que regula os donativos para campanhas políticas obriga a que estas sejam sempre feitas em nome individual, e nunca por empresas. Se, neste caso, os donativos individuais tiverem sido de facto reembolsados isso constitui um apoio do BES e não individual.

Segundo a revista o Ministério Público está a par destas suspeitas e encontra-se a investigá-las. Contudo, como o eventual crime de financiamento ilegal prescreveu em 2016, procura-se outro enquadramento para a acusação, como por exemplo fraude fiscal qualificada e de branqueamento de capitais.

O facto de pessoas ligadas ao Grupo BES terem sido os principais financiadores da candidatura de Cavaco Silva já era conhecida, a novidade estará no facto de tudo não ter passado de um esquema para que fosse o próprio banco a custear o financiamento.

Sublinhando que havia ligações de amizade entre Ricardo Salgado e outros membros do grupo e Cavaco Silva, a revista não insinua que os donativos tenham tido alguma contrapartida por parte do ex-Presidente.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José Candeias
    04 jul, 2019 Leiria 15:33
    Este Ministério Publico e a Justiça até da vontade de rir se o caso não fosse tão sério, agora passado anos e anos é que se “lembraram” de ir investigar os donativos do BES ao Cavaco Silva, agora depois de alguma prova caso as houvesse já terem desaparecido, ou alguém ainda acredita que as provas ainda estão em lugar que as possam encontrar, como podemos nós cidadãos comuns acreditar e confiar nesta Justiça, e nestes políticos? É caso para dizer são todos farinha do mesmo saco.
  • José Joaquim Cruz Pinto
    04 jul, 2019 Ílhavo 15:29
    Então, mas não era este o banco que só inventava tramóias com.socialistas (BES - Banco do Espírito Socialista) ? Ah, mas afinal parece que não! Do ponto de vista dos "beneméritos" em causa - a "nata" social potuguesa" -, foi um "dois em um", não foi? E do próprio banco, o que terá sido ? E não foi este o banco que era o expoente máximo da solidez, ... até à inevitável derrocada ?