A+ / A-
Fronteira EUA-México

Imagem de pai e filha afogados reacende debate sobre riscos que migrantes enfrentam

26 jun, 2019 - 13:59 • Redação

Mais um momento Aylan Kurdi, desta vez na fronteira com os Estados Unidos. Papa Francisco já se mostrou profundamente entristecido com a imagem.
A+ / A-

Um homem e a sua filha morreram afogados no Rio Grande, que faz fronteira entre os Estados Unidos e o México, na noite de domingo para segunda-feira.

A imagem do par junto à margem mexicana do rio, com o pequeno braço da menina de menos de dois anos à volta do ombro do pai, ambos de barriga para baixo, está a chocar e a entristecer o mundo, mostrando a dimensão dos riscos que os migrantes assumem para tentar chegar aos Estados Unidos.

Segundo uma jornalista mexicana que acompanhou o caso, Oscar Alberto Martínez, natural de El Salavador, já tinha atravessado o rio com a sua filha de 23 meses, deixando-a na margem americana, quando começou a regressar para ir buscar a mulher, Tania.

Ao ver o pai a afastar-se, a menina Angie Valeria correu de novo para a água. O pai foi tentar resgatá-la, mas ambos foram levados pela corrente e morreram, à vista de Tania, que nada pôde fazer para os salvar.

Os corpos foram encontrados na segunda-feira, perto de Matamoros, no México.

Com a divulgação das imagens sucedem-se as manifestações de revolta e de tristeza. A sala de imprensa da Santa Sé, no Vaticano, disse esta quarta-feira que “O Papa Francisco já viu as imagens do pai e da sua filha que se afogaram ao tentar passar a fronteira. O Papa está profundamente entristecido pela sua morte e reza por eles e por todos os migrantes que perderam as vidas ao tentar escapar a guerra e a miséria”.

A imagem está, naturalmente, a evocar comparações com a fotografia do pequeno menino sírio Alan Kurdi, de três anos, que foi encontrado morto numa praia turca no auge da crise dos refugiados no Mediterrâneo, em setembro de 2015.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ilídio
    26 jun, 2019 20:06
    Parece-me vergonhoso que jornalisticamente façam titulares com estas imagens