Tempo
|
A+ / A-

Turistas encontram câmara escondida em apartamento em Matosinhos

21 jun, 2019 - 12:03 • Daniela Espírito Santo

Câmara de vídeo estaria instalada numa tomada de casa de banho.

A+ / A-

O alerta foi dado esta quinta-feira, via Facebook. Um grupo de jovens turistas da Malásia encontrara uma câmara escondida numa tomada na casa de banho de um apartamento que alugaram em Leça do Balio, Matosinhos, via Booking.com.

A descoberta foi feita por uma das mulheres, que chamou a polícia mal descobriu o objeto na casa de banho, na madrugada de quinta-feira.

Na publicação, feita em mandarim, a jovem explica. “Encontramos uma mini-câmara na casa de banho do apartamento na primeira noite no Porto. Ficamos muito assustadas e queríamos abandonar a casa, mas tive medo porque o dono da casa vivia por baixo e já era meia noite”, começa por salientar Rubee Woo, no seu Facebook, onde publicou várias fotos do incidente.

Chamada a polícia, as jovens “em pânico” esperaram cerca de meia hora pelas autoridades, que confirmaram a existência do aparelho e o removeram.

As jovens acabaram por abandonar o apartamento, mas não sem antes se queixarem por terem visto “a polícia e o dono a conversar e a fumar”. “Sinto que a polícia não vai fazer nada contra o proprietário porque eles conversaram alegremente durante bastante tempo”, lamenta a narradora, que fez queixa na polícia e, mais tarde, também na divisão de turismo da polícia portuense.

“Espero que o proprietário seja punido”, diz Rubee Woo, que decidiu partilhar a história “para alertar outros viajantes”. “Ter uma nota alta não significa nada. O dono era muito simpático e guiou-nos pelo Porto. Agora estou assustada e vou sempre procurar se há câmaras em todos os sítios onde ficar”, remata.

A publicação sobre o assunto gerou, em menos de 24 horas, mais de 1,4 mil reações, quase mil comentários e mais de 2,9 mil partilhas. A publicação tornou-se viral também no Reddit, onde foi republicada por um amigo da visada. À Renascença, o autor dessa segunda publicação garantiu que o assunto está a dar que falar na Malásia e que a jovem vai apresentar, igualmente, queixa na embaixada da Malásia em Portugal porque não acredita que “a polícia vá agir contra o proprietário”.

A Renascença contactou a PSP e aguarda uma resposta das autoridades.

"Espero que as autoridades portuguesas levem este caso a sério"

A Renascença conseguiu falar com Rubee Woo através de WhatsApp. A turista malaia conta que uma amiga estava a preparar-se para tomar banho quando se baixou para deitar algo no caixote do lixo e reparou que havia alguma coisa estranho na tomada de eletricidade.

“Por alguma razão, ela sentiu que havia algo de errado e olhou mais de perto para a tomada”, mas não conseguiu perceber logo do que se tratava.

Acabou por tapar a ficha com um lenço, mas depois de tomar banho voltou a inspecionar a ficha com a lanterna do telemóvel e foi então que descobriu a microcâmara e chamou os amigos.

“Ficámos assustadas e com medo, sem saber o que fazer. Ligámos aos nossos amigos e à Polícia à procura de ajuda. A Polícia disse que demorava entre 15 a 20 minutos a chegar. O nosso coração estava a bater muito depressa enquanto esperávamos o que parecia ser uma eternidade”, conta Rubee Woo.

“Tínhamos muito medo que o dono da casa descobrisse que nós sabíamos que havia uma microcâmara e nos fizesse mal”, desabafa.

Rubee Woo confessa que o “incidente afetou muito” o grupo. “Ficamos com medo sempre que entramos num sítio novo pensamos no caso. Espero que as autoridades portuguesas levem este caso a sério e não o desvalorizem só porque somos turistas asiáticos”, apela.

[notícia atualizada às 19h37]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.