A+ / A-

Apagão deixa 48 milhões sem eletricidade na Argentina e Uruguai

16 jun, 2019 - 13:17 • Redação

A empresa Edesur Argentina dá conta deu conta da falha na rede social Twitter.

A+ / A-

Um corte de energia deixou 48 milhões de pessoas sem luz, na Argentina e no Uruguai, fez saber, este domingo, a companhia de eletricidade argentina.

Numa publicação na rede social Twitter, a empresa Edesur Argentina dá conta da situação, dizendo que "uma falha no sistema de interconexão deixou toda a gente no Uruguai e na Argentina sem energia".

De acordo com os media locais, a falha aconteceu por volta das 7h00 (11h00 em Portugal), e está a criar diversos problemas nestes países da América Latina. De acordo com a BBC, algumas zonas do Brasil e do Chile foram também afetadas.

Daniel Russo, secretário da Proteção Civil argentina, disse que a companhia elétrica do país apontou entre "seis a oito horas até o serviço estar restabelecido". O responsável diz ainda "que a energia está a ser restabelecida em algumas zonas do sul do país, em Cuyo, e no noroeste do país. Apesar disto, vai levar várias horas, porque há dificuldades com um cabo de alta tensão", adicionou.

Alejandra Martinez, porta-voz da elétrica argentina, assegura que o apagão é uma situação inédita, e reforçou a ideia que serão necessárias algumas horas para que a situação volte à normalidade: "Vai levar várias horas. Apesar de não serem claras as causas, colocar em funcionamento o fornecimento e transmissão de energia para chegar a todas as casas levará várias horas".

"Voltar a por a rede de alta tensão em funcionamente, para depois que esta passe a media e baixa tensão, é uma contingência que vai deixar os argentinos sem energia por mais algumas horas. A recuperação vai acontecer paulatinamente, para não provocar danos maiores", disse ainda a responsável à rádio MITRE.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.