A+ / A-

Hospital Pulido Valente sem anestesistas na escala este fim de semana

15 jun, 2019 - 15:32 • Lusa

Não existe escala de presença física de anestesia.Sindicato médico exige esclarecimentos.
A+ / A-

Médicos do Hospital Pulido Valente, em Lisboa, foram este sábado surpreendidos com a falta de anestesistas na escala deste fim de semana e manifestam preocupação com o impacto da decisão nos doentes internados.

O coordenador da unidade de Cuidados Intensivos Médico-Cirúrgicos do Departamento do Tórax escreveu à diretora do Departamento a manifestar preocupação com o impacto na qualidade assistencial e na segurança dos doentes internados.

No email, a que a agência Lusa teve acesso, o médico Filipe Froes expressa ainda indignação pela ausência de anestesistas em presença física neste fim de semana no Pulido Valente, sem que tenha havido debate e avaliação do impacto da medida e recorda que o hospital é o maior centro do país de cirurgia torácica, de oncologia pneumológica e de insuficiência respiratória.

Segundo o médico, a unidade de Cuidados Intensivos do Departamento do Tórax teve “conhecimento informal” de que “não existe escala de presença física de anestesia no Hospital Pulido Valente para o presente fim de semana”.

Filipe Froes recorda que a equipa de anestesia é responsável pela equipa de reanimação no Hospital e assume “funções críticas no âmbito da cirurgia de urgência/emergência”, considerando que há funções que não são possíveis de assegurar em regime de prevenção e sem a presença física dos profissionais, sobretudo porque “não foi assegurada uma alternativa que não comprometesse a vida dos doentes”.

“Não podemos assumir qualquer tipo de responsabilidade por qualquer evento ou acontecimento nefasto ou prejudicial para qualquer doente assistido no Hospital Pulido Valente em resultado da ausência de resposta da anestesia”, alerta o médico.

Filipe Froes recorda que o Pulido é um Hospital Central e universitário – integrado no Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHULN), considerando que é mais “uma perda significativa para CHULN e para o SNS”.

“Não pode persistir esta sensação ‘estranha’ de que, afinal, não estamos num Hospital Central, terciário e universitário”, refere a mensagem dirigida à diretora do Departamento do Tórax e que dirige também o Serviço de Pneumologia.

Contactado pela Lusa, o médico intensivista e pneumologista Filipe Froes escusou-se a acrescentar comentários, mas confirmou que muitos médicos do Hospital foram surpreendidos por esta decisão.

A Lusa contactou o CHULN mas não foi possível obter ainda uma resposta.

Sindicato médico exige esclarecimento sobre falta de anestesistas no Pulido Valente

O Sindicato Independente dos Médicos vai exigir explicações à administração do Centro Hospitalar Lisboa Norte sobre a falta de anestesistas na escala deste fim de semana no Hospital Pulido Valente.

Em declarações à agência Lusa, o secretário-geral do sindicato, Roque da Cunha, considerou lamentável a falta de anestesistas em presença física na escala do Pulido Valente este fim de semana, situação que apanhou de surpresa médicos da unidade e que foi denunciada numa mensagem de email pelo coordenador de Cuidados Intensivos Médico-Cirúrgicos do Departamento do Tórax.

Roque da Cunha acrescentou ainda que o Sindicato vai enviar um ofício à administração do centro hospitalar a pedir “esclarecimentos urgentes” sobre a situação.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 15 jun, 2019 palmela 16:14
    Nao ha anestesistas ! Ha falta de material nos hospitais "e descem as taxas moderadoras?