A+ / A-

Rio Ave quis contratar Bruno Lage esta época

14 jun, 2019 - 19:49 • Redação

Numa entrevista à Renascença, Luís Filipe Vieira confessa a proposta do Rio Ave, uma semana antes de Bruno Lage ter subido à equipa principal do Benfica.
A+ / A-
Bola Branca entrevista Luís Filipe Vieira. "O Benfica nunca quis formar para vender"
Bola Branca entrevista Luís Filipe Vieira. "O Benfica nunca quis formar para vender"

Em entrevista à Renascença, o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, revela que o treinador Bruno Lage foi cobiçado pelo Rio Ave, esta temporada, pouco antes de assumir o comando da equipa principal das águias.

"Há um presidente que sabia que o Bruno poderia vir a ser treinador do Benfica, que é o António Silva Campos [Rio Ave]. Pediu-mo emprestado e eu disse que não, porque poderia vir a ser treinador do Benfica", disse.

O Rio Ave perdeu o treinador José Gomes, para o Reading de Inglaterra, a 22 de dezembro, pouco antes do Benfica anunciar a rescisão de contrato com Rui Vitória. Bruno Lage assumiu a equipa a 3 de janeiro.

Daniel Ramos acabou por assumir o comando técnico do Rio Ave até ao final da temporada 2018/19. Esta época, Carlos Carvalhal será o timoneiro dos vilacondenses, treinador que teve Bruno Lage como seu adjunto no Sheffield Wednesday e Swansea, entre 2015 e 2018.

Outros "Lages"

Apesar de acreditar que o atual treinador do Benfica ficará no cargo por muitos anos, Luís Filipe Vieira promete que voltará a considerar os treinadores da formação para assumir a equipa principal, no futuro.

"Pela forma como temos formado treinadores, não sei por que não. No dia em que o Lage tenha de sair do Benfica, que seja outro "Lage" formado no Seixal. Vou olhar para dentro, sem dúvida nenhuma. Vamos continuar a formar treinadores, independentemente de alguns poderem sair para outros horizontes, como tem acontecido", rematou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.