A+ / A-

"É bom haver investigação da corrupção", diz Marcelo

14 jun, 2019 - 19:05 • Lusa

De visita à Costa do Marfim, o Presidente da República afirmou que "um Estado de direito que investiga a corrupção faz o que deve fazer".
A+ / A-

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta sexta-feira que é bom haver investigação da corrupção e disse que Portugal é admirado por isso em países como a Costa do Marfim e Cabo Verde.

O chefe de Estado falava aos jornalistas num hotel de Abidjan, no final da sua visita de Estado à Costa do Marfim, questionado sobre a operação Rota Final, que investiga um alegado esquema fraudulento de viciação de procedimentos de contratação pública.

Na resposta, Marcelo Rebelo de Sousa contestou a ideia de que casos como este mancham a imagem de Portugal. "Não, não", contrapôs, "um Estado de direito que investiga a corrupção faz o que deve fazer".

"E eu aqui encontrei, como encontrei em Cabo Verde, admiração por Portugal nesse aspeto", referiu.

O Presidente da República argumentou que "o que seria estranho é que toda a gente falasse em corrupção e não houvesse a investigação da corrupção".

"Se se fala em corrupção, o haver a investigação é bom", acrescentou.

Marcelo Rebelo de Sousa começou por dizer que não iria "comentar no estrangeiro o que se passa em Portugal", mas quis dar conta do ambiente que encontrou durante esta visita de Estado e, antes, nas comemorações do Dia de Portugal, em Cabo Verde.

"Encontrei uma grande admiração e um grande respeito por um país que tem um Estado de direito democrático e que, perante casos que merecem investigação por causa da corrupção, está a fazer a investigação", declarou.

Segundo o chefe de Estado, "não é possível dizer-se que há corrupção ou suspeitar-se que há corrupção e depois, quando há investigação da corrupção, achar-se que isso é mau".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.