A+ / A-

Militar português ferido na República Centro-Africana teve de amputar as duas pernas

14 jun, 2019 - 17:30 • Redação

Soldado encontra-se internado no Hospital das Forças Armadas, em Lisboa. "Prevê-se uma evolução e prognóstico favoráveis", refere o Estado Maior General das Forças Armadas.
A+ / A-

O militar português que sofreu ferimentos graves num acidente de viação na República Centro-Africana teve que sofrer a amputação das duas pernas, avançou à Renascença o porta-voz do Estado Maior General das Forças Armadas (EMGFA).

O soldado foi transferido esta sexta-feira e está internado no Hospital das Forças Armadas, em Lisboa.

O EMGFA explica, em comunicado, que na quinta-feira o militar foi estabilizado no local do acidente e transferido por helicóptero para o hospital militar da missão das Nações Unidas na capital do país, em Bangui.

Com traumatismo craniano sem perda de conhecimento e traumatismo grave dos membros inferiores, o soldado português foi operado de urgência no hospital das Nações Unidas para "controlo de danos, tendo sido verificada a necessidade e efetuada uma amputação bilateral dos membros inferiores".

Depois da cirurgia, foi transferido esta sexta-feira para Lisboa, num avião da Força Aérea, "com acompanhamento médico a bordo".

O militar deu entrada no serviço de urgência do Hospital das Forças Armadas, em Lisboa, pelas 14h45. À chegada "encontrava-se consciente, colaborante, orientado e hemodinâmicamente estável". Está agora em fase de avaliação e irá ficar internado na unidade de cuidados Intensivos do Hospital das Forças Armadas "para monitorização e vigilância da evolução clínica", refere o EMGFA.

"Prevê-se uma evolução e prognóstico favoráveis", sublinha o comunicado das Forças Armadas.

O militar e a família estão a receber apoio psicológico.

Simultaneamente, "está em curso um processo de averiguações deste acidente em serviço, para apuramento das causas que levaram ao despiste da viatura".

O acidente aconteceu enquanto realizavam um trajeto logístico junto à região de Bouar, situada a 350 quilómetros a noroeste da capital do país, quando ocorreu o despiste e capotamento de uma das viaturas táticas ligeiras blindadas HMMWV, vulgarmente conhecidas por "Humvee".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.