A+ / A-

Marcelo coroado Rei Amor na Costa do Marfim

14 jun, 2019 - 15:24 • Lusa

Distinção foi atribuída durante a visita do Presidente da República à Costa do Marfim. "Seria muito pesado para um republicano ser rei", disse.
A+ / A-

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, foi nomeado esta sexta-feira "Apôh", que significa amor, recebeu as vestes e a coroa de chefe tradicional da Costa do Marfim, o que considerou uma honra.

Nesta cerimónia na sede do Distrito Autónomo de Abidjan, já sem a coroa, o pano, as sandálias, o colar e o bastão de chefe tradicional, Marcelo Rebelo de Sousa fez questão, no entanto, de se declarar "muito contente de ser Presidente da República e não rei".

"Seria muito pesado para um republicano ser rei. Muito, muito pesado", acrescentou.

Antes, o governador Robert Beugre Mambe entregou-lhe a chave e o diploma de cidadão honorário do distrito de Abidjan, os símbolos de chefe tradicional e comunicou-lhe o seu novo nome, "Apôh", explicando que "quer dizer amor, caridade, devoção, consenso, encontro".

Robert Beugre Mambe considerou que se ajusta ao percurso e à personalidade de Marcelo Rebelo de Sousa, "um homem de direito, um homem de comunicação, um homem de Estado, com amor profundo pelo seu país", que "sabe falar com todos" dentro e fora de Portugal, "um homem de paz".

O Presidente da República gostou do nome. "Em Portugal dizem que eu sou o Presidente dos sentimentos, das emoções, dos afetos, da proximidade das pessoas", referiu, num discurso de agradecimento, em francês.

Marcelo Rebelo de Sousa assegurou que não só ele, mas "todos os portugueses e as portuguesas são assim", e defendeu que "todos os cidadãos do mundo deveriam ser assim" e "saber compreender os outros".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.