A+ / A-

​Aprovado fim das taxas moderadoras em centros de saúde

14 jun, 2019 - 12:27 • Lusa

Documento prevê também o fim das taxas moderadoras em consultas ou exames prescritos por profissionais do Serviço Nacional de Saúde.
A+ / A-

O Parlamento aprovou esta sexta-feira um projeto de lei do Bloco de Esquerda que acaba com as taxas moderadoras nos centros de saúde e em consultas ou exames prescritos por profissionais do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

O projeto-lei foi aprovado com votos contra do CDS-PP e votos favoráveis das restantes bancadas, tendo o grupo parlamentar anunciado que iria apresentar uma declaração de voto.

O objetivo do diploma é que "deixem de existir taxas moderadoras nos cuidados de saúde primários e em todas as consultas e prestações de saúde que sejam prescritas por profissional de saúde e cuja origem de referenciação seja o SNS".

No texto que foi discutido e votado, o Bloco propõe a "dispensa de cobrança de taxas moderadoras" no atendimento, consultas e outras prestações de saúde no âmbito dos cuidados de saúde primários, bem como em "consultas, atos complementares prescritos e outras prestações de saúde, se a origem de referenciação para estas for o Serviço Nacional de Saúde".

O texto do projeto do Bloco refere que a iniciativa legislativa "serve para concretizar a intenção maioritária demonstrada no debate da especialidade da nova Lei de Bases da Saúde, passando a dispensar a cobrança de taxa moderadora nos cuidados de saúde primários e em todas as prestações de saúde sempre que a origem for o SNS".

Medida tem de ser acompanha de um reforço da capacidade de resposta, pede bastonário dos Médicos

Para Miguel Guimarães, bastonário da Ordem dos Médicos, o fim das taxas moderadoras é uma medida positiva, , mas que terá de ser acompanhada de um reforço da capacidade de resposta dos serviços.

"Isso é absolutamente essencial porque se não pode ser gerada uma situação de conflito e de algum constrangimento. Em alguns casos, [o fim das taxas moderadoras] pode ser prejudicial para os doentes", lembra.

[Notícia atualizada às 16h47 com as declarações de Miguel Guimarães]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    14 jun, 2019 Lisboa 14:28
    Isso é bom, mas acho que neste momento, todos preferiam ter médico de família, não ter de se levantar às 5 da manhã para ser atendido e é se for, marcar uma consulta mas vagas só para daí a três meses ou mais, ter atendimento no Centro de saúde para um problema de saúde / indisposição demasiado curta para urgência hospitalar, etc. Isentar de taxas um serviço de saúde que rebentou, de pouco adianta.