|
A+ / A-

​Autarcas do PSD preocupados com descredibilização do poder local

13 jun, 2019 - 22:15

Comissão Política dos Autarcas Social Democratas pede rapidez nas investigações em curso.

A+ / A-

Os Autarcas Social Democratas (ASD) estão preocupados com o "impacto negativo" na opinião pública das investigações a autarquias, que descredibilizam a missão dos autarcas, e pedem celeridade nas investigações.

Num comunicado, o presidente da Comissão Política dos ASD, Hélder Sousa Silva, afirma-se preocupado, mas salienta também que se congratula pela atividade de investigação em curso, "a bem da promoção do bom funcionamento das instituições democráticas".

Na quarta-feira a Polícia Judiciária (PJ) fez buscas em 18 câmaras municipais do norte e centro do país, num processo em que a operadora de transportes públicos Transdev também foi visada.

Quatro pessoas, entre ex-autarcas e funcionários de autarquias e de uma empresa de transportes, foram constituídas arguidas, segundo a Procuradoria-Geral Distrital de Coimbra. Entre os suspeitos está Álvaro Amaro, ex-presidente da Câmara da Guarda que, recentemente, foi eleito eurodeputado.

Há cerca de uma semana também foi divulgada uma investigação da PJ junto de duas autarquias do norte do país.

Hélder Sousa Silva fala da descredibilização da missão de milhares de autarcas, que "têm de tomar quotidianamente centenas de decisões enquadradas num amplo quadro legislativo", e apela a que, no cumprimento da legalidade, as investigações possam decorrer com a maior celeridade, "visando o cabal apuramento da verdade e a divulgação pública dos resultados, distinguindo infrações processuais/administrativas de atos lesivos ou crimes de corrupção".

Os ASD estão a preparar um "Código de Ética", que será subscrito pelos autarcas no próximo encontro nacional, refere o responsável no comunicado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.