A+ / A-

Bispo de Portalegre espera que barragem do Pisão não demore "mais sessenta anos" a construir

09 jun, 2019 - 20:33 • Susana Madureira Martins

D. Antonino Dias considera que as comemorações do 10 de junho em Portalegre ajudaram à decisão do governo em construir a barragem do Pisão, mas lembra que três primeiros-ministros já prometeram o mesmo.
A+ / A-

O anúncio do Governo para a construção da barragem do Pisão é uma boa notícia para o bispo de Portalegre-Castelo Branco, mas é uma notícia com sessenta anos.

Numa breve conversa com a Renascença, D. Antonino Dias lembra que "há sessenta anos que se fala nessa barragem, já passaram por aqui três [primeiros-]ministros, Mário Soares, Guterres, o Durão Barroso, passaram por cá a falar na barragem, na necessidade da barragem, e agora estavam três ministros na sexta-feira". Ou seja, outros, antes deste governo, anunciaram o mesmo.

Questionado se lhe falta fé em relação à construção da barragem, D. Antónino Dias responde bem-humorado que "não" e que é "um homem de esperança", e que tem "fé", mas assume que não gostava é que a barragem "demorasse mais sessenta anos, só isso".

O bispo de Portalegre falava este domingo à margem das comemorações do 10 de junho nesta capital de distrito e salientou que "de facto, é imprescindível essas coisas por aqui, não só pelas razões do regadio, mas também por tudo aquilo que é necessário aqui no interior".

Aliás, D. Antónino Dias reconhece que o anúncio da barragem poderá ter sido uma consequência destas cerimónias presididas na cidade por Marcelo Rebelo de Sousa e que têm o expoente máximo esta segunda-feira com o habitual desfile dos três ramos das Forças Armadas e o discurso às tropas.

O facto de as comemorações do dia de Portugal se realizarem em Portalegre é visto como importante para a região, "é sempre muito importante falar do interior, bem, do interior toda a gente fala, mas vive-se um bocadinho de costas voltadas para o interior", e para D. Antonino "tudo isto são iniciativas que marcam, fala-se de Portalegre, olha-se para esta realidade, que é muito importante aqui no centro de Portugal, é uma capital de distrito", rematando com um "porque não?"

Sim, esta é uma capital de distrito, mas é uma que tem visto sucessivamente sair a sua população. O bispo de Portalegre assume essa preocupação, "a população não se prende aqui, mesmo os jovens, poucos são os que ficarão por aqui, porque, de facto, cada um luta pela vida e aqui não se encontra razões de esperança para ficar".

D. Antonino refere que "isso é que é importante, fazer parar esse escoamento de jovens e trazer outros se for preciso, portanto é bom, sempre, essas iniciativas", ou seja, as comemorações do 10 de junho em Portalegre.

O Presidente da República já disse aos jornalistas este domingo que depois do 10 de junho, as pessoas e as terras, e neste caso Portalegre, nunca ficam na mesma. Ora, o bispo desta capital de distrito espera que "assim seja, isto não pode acontecer e depois não acontecer nada, porque o importante está no depois, em falar de Portalegre e Portalegre ser atrativo para muita gente".

Quanto mais não seja, conclui D. Antónino Dias, que sirva "para virem ao menos para o turismo e para outras situações que são importantes assumir aqui no interior".

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.