A+ / A-
Serralves

​Casa do Cinema Manoel de Oliveira inaugurada a 24 de junho

07 jun, 2019 - 01:46 • Lusa

O espaço vai acolher uma sala de cinema, exposições e espaços dedicados ao serviço educativo, para além de conferências e edições próprias.
A+ / A-

A Casa do Cinema Manoel de Oliveira é inaugurada em Serralves a 24 de junho, dia de São João e das festas da cidade do Porto, às 18h30, anunciou esta quinta-feira a fundação, numa carta enviada à agência Lusa.

O espaço com o nome do realizador falecido em 2015 vai acolher uma sala de cinema, exposições e espaços dedicados ao serviço educativo, para além de conferências e edições próprias.

A Fundação de Serralves tinha anunciado, em janeiro, que aquele equipamento, com projeto do arquiteto Álvaro Siza Vieira, abriria portas no primeiro semestre do ano, com António Preto como diretor, e duas exposições dedicadas ao realizador português de "Aniki Bóbó" e "O Gebo e a Sombra", que morreu a 2 de abril de 2015, aos 106 anos.

De acordo com a programação distribuída pela instituição, no início de 2019, uma das mostras será permanente e será completada com uma programação constante sobre a obra do cineasta.

A Lusa tentou obter mais informações sobre o espaço junto do seu diretor e de Serralves, mas ambos remeteram esclarecimentos adicionais para mais tarde.

Em 2017, a presidente do Conselho de Administração de Serralves descreveu que o espaço seria dotado de um anfiteatro e de um local para exposições, a construir no extremo nordeste do Parque, aproveitando a antiga garagem do conde de Vizela.

Ministério do Planeamento e Infraestruturas anunciou em 2016 a aprovação da candidatura a fundos comunitários da Fundação de Serralves para o projeto, que representa um investimento de 3,7 milhões de euros.

Em novembro de 2013, a Fundação de Serralves, a então secretaria de Estado da Cultura e o realizador Manoel de Oliveira assinaram um protocolo para a construção da Casa do Cinema Manoel de Oliveira.

A instalação de um museu dedicado a Manoel de Oliveira chegou a estar prevista para um espaço que incluiria uma habitação para o realizador e que foi construída por iniciativa da Câmara do Porto no fim da década de 90 do século XX.

O lançamento da obra pela autarquia foi feito sem que tivesse sido formalizado um acordo com o cineasta para o uso da casa, o que acabaria por condicionar o futuro do imóvel que ficou concluído em 2003, mas nunca teve o uso para que foi pensado.

Em 2016 esse espaço foi vendido em hasta pública por 1,58 milhões de euros para ser a nova sede da Fundação Sindika Dokolo para a Europa, e um “espaço de reflexão e aprendizagem para jovens artistas”, segundo referiu na ocasião, em comunicado, o presidente desta instituição, Sindika Dokolo, casado com Isabel dos Santos, filha do então presidente angolano.

Aquele edifício idealizado há duas décadas para acolher o espólio do cineasta foi vendido à Supreme Treasure, empresa gerida por Mário Leite da Silva, representante da empresária angolana Isabel dos Santos, segundo informação consultada pela Lusa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.