A+ / A-
Serralves

​Casa do Cinema Manoel de Oliveira inaugurada a 24 de junho

07 jun, 2019 - 01:46 • Lusa

O espaço vai acolher uma sala de cinema, exposições e espaços dedicados ao serviço educativo, para além de conferências e edições próprias.
A+ / A-

A Casa do Cinema Manoel de Oliveira é inaugurada em Serralves a 24 de junho, dia de São João e das festas da cidade do Porto, às 18h30, anunciou esta quinta-feira a fundação, numa carta enviada à agência Lusa.

O espaço com o nome do realizador falecido em 2015 vai acolher uma sala de cinema, exposições e espaços dedicados ao serviço educativo, para além de conferências e edições próprias.

A Fundação de Serralves tinha anunciado, em janeiro, que aquele equipamento, com projeto do arquiteto Álvaro Siza Vieira, abriria portas no primeiro semestre do ano, com António Preto como diretor, e duas exposições dedicadas ao realizador português de "Aniki Bóbó" e "O Gebo e a Sombra", que morreu a 2 de abril de 2015, aos 106 anos.

De acordo com a programação distribuída pela instituição, no início de 2019, uma das mostras será permanente e será completada com uma programação constante sobre a obra do cineasta.

A Lusa tentou obter mais informações sobre o espaço junto do seu diretor e de Serralves, mas ambos remeteram esclarecimentos adicionais para mais tarde.

Em 2017, a presidente do Conselho de Administração de Serralves descreveu que o espaço seria dotado de um anfiteatro e de um local para exposições, a construir no extremo nordeste do Parque, aproveitando a antiga garagem do conde de Vizela.

Ministério do Planeamento e Infraestruturas anunciou em 2016 a aprovação da candidatura a fundos comunitários da Fundação de Serralves para o projeto, que representa um investimento de 3,7 milhões de euros.

Em novembro de 2013, a Fundação de Serralves, a então secretaria de Estado da Cultura e o realizador Manoel de Oliveira assinaram um protocolo para a construção da Casa do Cinema Manoel de Oliveira.

A instalação de um museu dedicado a Manoel de Oliveira chegou a estar prevista para um espaço que incluiria uma habitação para o realizador e que foi construída por iniciativa da Câmara do Porto no fim da década de 90 do século XX.

O lançamento da obra pela autarquia foi feito sem que tivesse sido formalizado um acordo com o cineasta para o uso da casa, o que acabaria por condicionar o futuro do imóvel que ficou concluído em 2003, mas nunca teve o uso para que foi pensado.

Em 2016 esse espaço foi vendido em hasta pública por 1,58 milhões de euros para ser a nova sede da Fundação Sindika Dokolo para a Europa, e um “espaço de reflexão e aprendizagem para jovens artistas”, segundo referiu na ocasião, em comunicado, o presidente desta instituição, Sindika Dokolo, casado com Isabel dos Santos, filha do então presidente angolano.

Aquele edifício idealizado há duas décadas para acolher o espólio do cineasta foi vendido à Supreme Treasure, empresa gerida por Mário Leite da Silva, representante da empresária angolana Isabel dos Santos, segundo informação consultada pela Lusa.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.