A+ / A-

Pais de jovem holandesa confirmam que morreu por se recusar a comer

06 jun, 2019 - 18:11 • Filipe d'Avillez

A família de Noa pede privacidade para que possa fazer o luto da rapariga de 17 anos.
A+ / A-

Os pais de Noa Pothoven, a jovem holandesa de 17 anos cuja morte tem sido notícia esta semana, confirmaram esta quinta-feira que a sua filha morreu por se recusar a comer ou a beber.

A morte de Noa começou por ser relatada como um caso de eutanásia, mas na quarta-feira essa versão foi desmentida. Noa chegou a contactar uma clínica de eutanásia na Holanda, mas esta recusou o seu caso.

Há duas semanas a rapariga, que sofria de graves problemas psicológicos devido a um historial de abusos sexuais e violação, deixou de comer e de beber e desta vez, ao contrário de outras anteriores em que ela tinha sido internada e alimentada por sonda, os pais e médicos optaram por não intervir.

O caso continua a motivar muita discussão e polémica, mas os pais de Noa vieram agora a público pedir que a sua privacidade seja respeitada.

“Nós, pais de Noa Pothoven, estamos profundamente entristecidos com a morte da nossa filha”, diz o comunicado.

“A Noa optou por deixar de comer e de beber. Gostaríamos de sublinhar que foi esta a causa da sua morte. Morreu na nossa presença, no domingo passado”, diz ainda o casal, confirmando que não se tratou de um caso de eutanásia.

Os pais de Noa pedem que a sua privacidade seja respeitada “para que possamos fazer o nosso luto em família”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.