A+ / A-

Núncio apostólico recebe condecoração das Forças Armadas

04 jun, 2019 - 15:24 • Ana Rodrigues Redação

O arcebispo Rino Passigato recebeu a Cruz de São Jorge, que representa coragem, mas também atenção pelos homens.
A+ / A-

O núncio apostólico em Portugal, arcebispo Rino Passigato foi condecorado esta terça-feira no Estado-Maior General das Forças Armadas.

O representante do Papa em Portugal recebeu a Cruz de São Jorge em sinal do reconhecimento pelo trabalho desenvolvido junto das Forças Armadas e de Segurança, como referiu à Renascença o almirante Silva Ribeiro, chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas.

“O Sr. D. Rino foi decisivo na estruturação do Ordinariato Castrense. Teve um papel muito interventivo na fixação de um clero próprio e na nomeação dos dois bispos D. Manuel Linda e D. Rui Valério. Mas, para além disso, a sua intervenção foi muito mais abrangente na medida em que foi, durante os oito anos em que esteve em Portugal, um embaixador da Santa Sé muito atento ao que se passava neste país e também nas Forças Armadas.”

Esta condecoração só pode ser imposta pelo Chefe do Estado-Maior, como explica o almirante. “A Cruz de São Jorge é o símbolo do Estado-Maior General das Forças Armadas. Nós temos patronos e muitos deles são santos. São Jorge foi escolhido há muitos anos para ser a medalha privativa do Chefe de Estado Maior General das Forças Armadas. Simboliza a coragem, mas também a atenção para com os homens”, diz, acrescentando que a homenagem é mais que justa.

Já com a Cruz de São Jorge colocada ao pescoço, Rino Passigato reconheceu a importância da relação de proximidade entre a Igreja e as Forças Armadas e de Segurança. “Aceitei como um sinal de proximidade que foi a realidade que se exprimiu na nossa relação mútua, minha como representante da Santa Sé e de todas as hierarquias das Forças Armadas e de Segurança, sobretudo no que se refere às nomeações dos novos ordinários castrenses, D. Manuel Linda, primeiro, em 2013 e no ano passado o D. Rui Valério, mais recentemente.”

“Foi um empenho que tomei e que parte da convicção da importância do ordinariato castrense”, diz.

O núncio apostólico termina a sua missão em Portugal em julho e já admite que a passagem por Portugal foi a concretização de um sonho.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.