A+ / A-

Liga das Nações. Forças de segurança preparam-se para o desafio do ano

03 jun, 2019 - 10:07 • Celso Paiva Sol

Portugal vai receber perto de 30 mil adeptos estrangeiros para a final da Liga das Nações, que começa na quarta-feira. Dispositivo de segurança será bem visível.
A+ / A-

Veja também:


Portugal prepara-se para receber, esta semana, a final da Liga das Nações, o que para o sistema de segurança é, sem dúvida, o maior desafio do ano.

O eixo Porto-Braga-Guimarães irá ter níveis de segurança reforçados, porque é lá que as quatro seleções irão ficar alojadas, treinar e jogar:

  • Portugal fica em Espinho e vai treinar no Estádio do Bessa;
  • a Suíça fica num hotel de Gaia e vai usar o centro de treinos do F.C do Porto no Olival;
  • Inglaterra fica alojada em Guimarães e treinar na Academia do Vitória;
  • Holanda vai ter o quartel general em Braga, com hotel e centro de treinos do Sporting local.

É também para essas cidades que vão viajar muitos milhares de adeptos, 30 mil dos quais estrangeiros.

“Sabemos que os hotéis estão completamente esgotados na cidade de Guimarães e que em Braga e no Porto há nesta altura muita dificuldade de alojamento”, afirma à Renascença o superintendente da PSP Luís Elias.

“À partida, contamos ter entre 15 mil e 18 mil adeptos ingleses que se deslocam de propósito a Portugal; entre cinco mil e seis mil adeptos holandeses e ainda cerca de três mil adeptos suíços”, concretiza.

Pelo menos no que diz respeito aos adeptos ingleses, a PSP conta com a ajuda da própria lei britânica, uma vez que os adeptos de risco estão proibidos de viajar para jogos no estrangeiro.

Fronteiras livres e reforços junto aos estádios

Ao contrário do que aconteceu noutras ocasiões – como o Euro 2004 ou as visitais papais – não haverá reposição de fronteiras, embora estejam previstas várias outras medidas excecionais, como a interdição do espaço aéreo nalguns locais.

De resto, o dispositivo de segurança será bastante visível.

“Haverá perímetros de segurança junto aos centros de treino, junto aos hotéis onde estarão alojadas as seleções e, naturalmente, junto aos estádios. E haverá visibilidade policial, patrulhamento junto às Fan Zones, policiamento e segurança reforçada no Aeroporto Francisco Sá Carneiro, nos transportes públicos das cidades do Porto e de Guimarães e na deslocação de adeptos entre as duas cidades”, avança o superintendente Luís Elias.

Para este que é um dos maiores eventos internacionais realizado este ano em Portugal, este responsável elege quatro situações distintas, sendo que “a ameaça terrorista é sempre equacionada”.

“Nestes eventos em concreto, ligados ao futebol, poderemos ter também o contexto de desordem pública. E depois há mais dois cenários para os quais estamos preparados: os eventos disruptivos e a vertente das ciberameaças, que podem ter um impacto negativo no evento”, refere.

Como exemplo de “eventos disruptivos”, o superintendente aponta o que aconteceu “na final da Liga dos Campeões em 2014, em Lisboa, quando ativistas da Greenpeace se introduziram no Estádio da Luz para tentar levar a cabo uma ação de protesto, tendo sido detetados pela PSP”.

Portugal e Suíça jogam na quarta-feira, Holanda e Inglaterra na quinta e, tanto a final como o jogo para apurar o terceiro e quarto classificados dcorrem no domingo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.