|
A+ / A-

Caos à vista no aeroporto de Lisboa. Inspetores do SEF admitem todas as formas de luta

02 jun, 2019 - 18:12 • Redação

O Sindicato dos Inspetores do SEF considera que a ANA – Aeroportos “está mais preocupada com os lucros do que em garantir condições de trabalho dignas aos trabalhadores do SEF”.

A+ / A-

O Sindicato dos Inspetores do SEF exige melhores condições de trabalho no aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. Em aberto pode estar uma greve em pleno verão.

Em declarações à Renascença, Acácio Pereira acusa a ANA Aeroporto de estar preocupada apenas com o lucro e diz que se nada mudar estão dispostos avançar para todas as formas de luta, onde se inclui a greve.

“Nós temos uma política de cadeira quente. Para os funcionários poderem tomar as suas refeições, é necessário que outros se levantem porque não há espaço para eles”, lamenta o sindicalista.

“Se não houver uma alteração das políticas da ANA para com os funcionários, todos os cenários previstos nos termos da lei da luta sindical estão em aberto neste momento, não afastamos nenhum deles, não temos medo de nenhum deles”, avisa Acácio Pereira.

O Sindicato dos Inspetores do SEF considera que a ANA – Aeroportos “está mais preocupada com os lucros do que em garantir condições de trabalho dignas aos trabalhadores do SEF”.

“Neste momento, temos áreas diminutas, nas áreas de refeição coexistem o lixo ao lado das mesas, temos salas de entrevistas minúsculas, as casas de banho são degradantes. Nós vivemos uma situação que não é admissível no século XXI”, refere Acácio Pereira.

A posição do sindicato acontece na véspera de o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, presidir à receção aos 45 novos inspetores estagiários do SEF no aeroporto de Lisboa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.