|
A+ / A-

Porto

Após dez anos de espera, um "dia feliz" para as crianças da ala oncológica do São João

31 mai, 2019 - 15:09 • Redação

As crianças com cancro internadas no Hospital de S. João são esta sexta-feira transferidas para o edifício principal. Unidade de pediatria oncológica estava alojada em contentores desde 2011. Nova ala deverá começar a ser construída este ano.

A+ / A-

Após dez anos a receberem tratamento oncológico em contentores, as crianças internadas no Hospital de São João, no Porto, vão finalmente ser transferidas para um novo serviço com capacidade para receber até 400 internamentos.

“São oito quartos individuais, todos eles com casa de banho privativa, uma ludoteca e uma sala de descanso para os pais”, explica à Renascença Filomena Cardoso, enfermeira diretora do centro Hospitalar de São João.

As obras da nova ala pediátrica deverão começar ainda este ano, esperando-se que estejam concluídas em 2021. Por enquanto, as crianças internadas com cancro no hospital ficarão no edifício central, para onde vão ser transferidas esta sexta-feira.

"É uma solução intermédia que melhora significativamente a segurança e a qualidade do serviço dos doentes", adianta Filomena Cardoso.

Questionados sobre o momento pelo qual aguardavam há uma década, os pais das crianças dizem-se "expectantes" mas "vigilantes", por recearem que a transferência possa atrasar ou até mesmo levar ao cancelamento da construção de uma nova ala pediátrica como prometido.

Esse cenário, assegura a enfermeira diretora do centro hospitalar à Renascença, não está em cima da mesa. Os prazos estabelecidos para o início das obras vão ser cumpridos, garante, pelo que o dia de hoje marca uma nova fase nas vidas destas crianças e dos seus pais. "É um dia feliz para a oncologia."

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.