A+ / A-

Câmara de Avis oferece tecto provisório à GNR após despejo

30 mai, 2019 - 18:35 • Rosário Silva

Para não perder os homens da segurança, o município emprestou velhas instalações, enquanto se aguarda a construção de um novo quartel, planeado há 20 anos.
A+ / A-

Mês novo, vida “nova”. A Guarda Nacional Republicana (GNR) de Avis tem “novas” instalações a partir de junho, depois de ter recebido ordem de despejo do edifício onde estava instalada há 15 anos.

A verdade é que, já há dois anos, o proprietário das instalações tinha avisado o Ministério da Administração Interna (MAI) que ou adquiria o espaço ou teria de o abandonar. A ordem de despejo acabou por chegar, dando à guarda até ao final de maio para abandonar as instalações.

Na iminência de ficar sem os homens da segurança, o município chegou-se à frente e acabou por ceder, a titulo provisório, as antigas instalações da autarquia, confiando na vontade entretanto manifestada pelo Governo de resolver em definitivo a situação.

“Tendo em conta o número de assaltos que acontecem no nosso concelho, não podíamos correr o risco de ficar sem os militares”, explicou à Renascença o presidente da Câmara Municipal de Avis, Nuno Silva, evidenciando a necessidade de “segurança para os munícipes”.

Para o autarca, esta é uma situação “caricata”, a avaliar pelo tempo e pelos Governos que já passaram, desde que o município cedeu, há 20 anos, um terreno para a construção de raiz de um novo quartel.

“Já várias forças politicas passaram pelo Governo e podiam ter resolvido a situação”, lembra Nuno Silva. “Sempre que há eleições somos uma prioridade, mas nada se faz. Espero que, desta vez, o quartel de Avis seja mesmo uma realidade.”

À Renascença, o presidente da autarquia diz que tem estado em contacto com o MAI, mas desconhece quando é que a obra poderá avançar. “O projeto está elaborado e a obra vai custar cerca de um milhão de euros”, adianta Nuno Silva.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joao Santos
    30 mai, 2019 18:51
    POIS O mai ANDA ENTRETIDO COM O QUE SE PASSOU COM A SENHORA LÁ PARA OS LADOS DE LOULÉ, PARA PODER SOVAR OS GNR QUE PROVOCARAM TÃO HUMILHAÇÃO, TUDO CERTO, MAS O QUE É TAMBÉM VEXATÓRIO É PERMITIR QUE UMA FORÇA DE SEGURANÇA SEJA DESPEJADA DAS INSTALAÇÕES ONDE ESTAVAM. ONDE ESTÁ A BOA GERÊNCIA DO mai ? EXISTE? OU SERVE SÓ PARA UMAS COISAS E PARA OUTRAS NÃO ?