A+ / A-

Tratava migrantes em Lampedusa. Agora vai representá-los no Parlamento Europeu

29 mai, 2019 - 07:10 • Redação

Pietro Bartolo diz que o crescimento da extrema-direita em Itália é um “tsunami”.
A+ / A-

Um italiano conhecido por ser “o médico dos migrantes” na ilha de Lampedusa conquistou um lugar no Parlamento Europeu nas eleições de domingo, contrariando a tendência de subida da extrema-direita no sul de Itália.

Pietro Bartolo, que se tem dedicado a prestar cuidados de saúde aos migrantes no Mediterrâneo, concorreu pelo partido de centro-esquerda italiano (Partido Democrático). Foi apresentado na campanha eleitoral como sendo a última esperança contra o discurso anti-imigração da extrema-direita.

Acabou por ficar em segundo lugar na Sicília, com cerca de 20% dos votos, atrás da Liga (45%), de Matteo Salvini, a quem recusa tratar pelo nome. Um resultado que, confessa, “doeu”.

“Mas também é verdade que apenas 26% das pessoas de Lampedusa foram às urnas. E é ainda de notar que a minha ilha, com apenas seis mil habitantes, tem carregado o peso da crise migratória há 30 anos”.

Bartolo considera que o crescimento da Liga em Itália é um “tsunami”. “Estamos no meio de uma onda de forças fascistas”, diz o médico de 63 anos, ao jornal The Guardian.

“Estou grato àqueles que me apoiaram. Mas, ao mesmo tempo, estou muito preocupado com os resultados alcançados por aquele homem, aquele que fecha os portos aos navios de resgate e que quer multar quem salva os migrantes”.

Pietro Bartolo é um dos protagonistas do documentário “Fogo no Mar”, que venceu um Urso de Ouro no Festival de Cinema de Berlim, em 2016. O médico escreveu ainda, juntamente com a jornalista Lidia Tilotta, o livro “Lágrimas de Sal”.

Na segunda-feira, Bartolo agradeceu na sua página de Facebook o afeto e o apoio dos eleitores. “Agora vamos trabalho e sem medo”, escreveu.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • me too
    29 mai, 2019 16:12
    Quando foi dito na ONU que a lavagem de dinheiro das ONG implicava maiores valores do que os da droga na Europa, está dito que vai mais um bandido para o PE.