|
A+ / A-

Governo faz ajustes diretos para contratar 16 meios aéreos de combate a incêndios

28 mai, 2019 - 17:48 • Agência Lusa

Ministro Eduardo Cabrita diz que Portugal “só terá a resposta plena” quando voltar a ter uma “resposta essencialmente pública” e assegurada pela Força Aérea, estando neste momento numa fase de transição.

A+ / A-

O Governo vai fazer ajustes diretos para a contratação de 16 meios aéreos de combate a incêndios florestais, anunciou o ministro da Administração Interna esta terça-feira no Parlamento.

“Com base na declaração de alerta face à avaliação das condições meteorológicas desta semana, o ministro da Defesa assinou ainda ontem [segunda-feira] o despacho que permite a realização de ajustes diretos para 16 meios aéreos”, disse Eduardo Cabrita na Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias.

O ministro respondia aos deputados do PSD Marques Guedes e Duarte Marques, que acusaram o Governo de ter voltado “a falhar na contratação atempada de meios aéreos” de combate aos fogos.

O Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR) previa para esta altura do ano 38 meios aéreos disponíveis, mas só 21 estão operacionais, incluindo um helicóptero da Força Aérea que será ativado em caso de necessidade para coordenação aérea.

A partir de 01 de junho, o DECIR é reforçado, estando previstos 60 meios aéreos.

Aos deputados, o ministro sublinhou que, neste momento, há “mais meios aéreos em operação” do que nos anos anteriores.

“Tal como no ano passado, sempre disse que recorríamos aos meios que fossem necessários para garantir a resposta efetiva às necessidades de segurança”, disse, recordando que em 2018 foram feitos oito ajustes diretos.

Eduardo Cabrita frisou que a situação atual dos meios aéreos é uma herança do Governo anterior, sustentando que, “pondo em causa a segurança dos portugueses, privatizou a empresa de meios aéreos e a resposta”.

“Estamos a pagar o custo da decisão do Governo anterior de privatizar a resposta na gestão dos meios aéreos”, precisou.

Segundo o ministro, Portugal “só terá a resposta plena” quando voltar a ter uma “resposta essencialmente pública” e assegurada pela Força Aérea, estando neste momento numa fase de transição.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • me too
    28 mai, 2019 20:26
    Eu pensava (mal, pelos vistos) que a F aérea já estava pronta...