A+ / A-
Fiscalização

Taxis, Tuk-Tuk ou Uber vão estar na mira da GNR a partir de segunda-feira

26 mai, 2019 - 12:24 • Redação com Lusa

Segundo a Guarda Nacional Republicana, esta será “uma operação de fiscalização rodoviária intensiva" em todo o país, que visa “zelar pelo cumprimento da lei e das regras da concorrência".
A+ / A-

A GNR inicia na segunda-feira, em todo o país, uma operação de fiscalização “intensiva” aos transportes individuais de passageiros que visa garantir o cumprimento da lei e das regras da concorrência.

A operação, que decorre até domingo, irá fiscalizar o transporte de passageiros em veículos descaracterizados a partir de plataforma eletrónica (TVDE), Tuk-Tuk, transferes e táxis, adianta a Guarda Nacional Republicana, em comunicado.

Segundo a GNR, será “uma operação de fiscalização rodoviária intensiva em todo o continente”, que visa “zelar pelo cumprimento da lei e das regras da concorrência relativas à utilização de veículos afetos ao exercício da atividade de transporte individual e remunerado de passageiros”.

A operação acontece “numa época de franca expansão de diferentes formas e conceitos de transporte, impulsionadas por empresas de táxis, agências de viagens e turismo, empresas de animação turística e, fundamentalmente pela atividade de TVDE, atividade que conta com mais de 4.300 operadores e cerca de 11.400 motoristas”, sublinha o comunicado.

Durante a operação, os militares irão fiscalizar o licenciamento e a certificação dos motoristas e dos seus veículos, além de verificar o cumprimento das normas do Código da Estrada, nomeadamente a utilização do cinto de segurança, o excesso de lotação, uso do telemóvel a conduzir e a condução sob efeito do álcool ou substâncias psicotrópicas.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.