A+ / A-

​Rui Rio compara geringonça à “roda dos enjeitados” e acusa PS de atacar esquerda para conquistar o centro

24 mai, 2019 - 00:19 • Susana Madureira Martins

O líder do PSD acusa o PS de encenação ao atacar os parceiros da maioria parlamentar, num discurso marcado por uma sala gigante a meio gás onde ficaram várias mesas vazias.
A+ / A-
Susana MArtins - PEÇA RUI RIO D23 ENJEITADOS
Susana MArtins - PEÇA RUI RIO D23 ENJEITADOS
Reportagem de Susana Madureira Martins

Ia o discurso a meio, Rui Rio já tinha apelado aos militantes para essa "tarefa nacional de baixar a abstenção", também já tinha dito que "o PSD é o partido mais moderado em Portugal", "o partido que não pactua nem com a extrema-direita, nem com a extrema-esquerda" e depois o líder social-democrata surgiu com a ideia da "roda dos enjeitados" para falar da relação do PS com a maioria parlamentar de esquerda.

No jantar-comício de Paço de Arcos, de apoio a Paulo Rangel como cabeça de lista às europeias de domingo, Rio defendeu que o ataque que os socialistas fizeram nos últimos dias de campanha eleitoral a PCP e Bloco de Esquerda lhe fez lembrar "uma figura que havia na Europa até ao século XIX que era a roda dos enjeitados".

O líder social-democrata enquadrou o que era esse "mecanismo onde as mães punham os recém-nascidos, filhos bastardos, para entregarem à caridade", para concluir que "o PS está a fazer é tentar no século XXI pôr a ‘geringonça’ na roda dos enjeitados, só que a ‘geringonça’ não é nem recém-nascido, nem é bastardo, a geringonça já tem quatro anos de idade e tem pai e mãe".

Algumas palmas pontuaram esta parte do discurso que Rui Rio depois completou, dizendo que "esta colocação da ‘geringonça’ na roda dos enjeitados é uma encenação eleitoral, é o PS a conquistar os votos moderados dando a entender que, afinal, não quer nada com o PCP e com o Bloco de Esquerda, mas depois das legislativas, se disso precisarem, deitam a zanga para o caixote do lixo e vão à roda dos enjeitados buscar outra vez a geringonça para garantirem o poder mesmo que não ganhem as eleições".

Um jantar-comício em que o PSD apostou numa sala gigante em Paço de Arcos que estava preparada para mil pessoas sentadas, mas ficou muito aquém do esperado, já que várias mesas ficaram vazias e outras apenas preenchidas em meia lua.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.