A+ / A-

Soflusa. Gritos e INEM na primeira ligação da manhã

23 mai, 2019 - 09:54 • Redação com Lusa

Greve dos mestres teve 100% de adesão, diz sindicato. Primeira ligação entre o Barreiro e Lisboa estava prevista para as 9h30.
A+ / A-

Foi no meio de muita confusão, gritos e até pessoas a serem assistidas pelo INEM, chamado à estação fluvial do Barreiro, que a Soflusa fez a primeira travessia no Tejo nesta quinta-feira de manhã.

Eram várias as centenas de pessoas à espera e muitos não acreditavam que um só barco (com capacidade para 600 pessoas) conseguisse levar toda a gente.

Segundo fonte do Governo, acabaram por ser três os barcos a fazer a travessia, por volta das 9h30.

Na quarta-feira, a Soflusa informou os habituais passageiros de que haveria mais supressões no período das horas de ponta, tanto da manhã como da tarde, o que levou muitos passageiros a decidir se seguiam nestes barcos da manhã, dado que depois não sabem como farão, ao final da tarde, para regressar a casa.


Os mestres das embarcações da Soflusa estão em greve nesta quinta e sexta-feira, pela contratação de mais profissionais. A paralisação é parcial (três horas por turno), afetando as primeiras horas da manhã e as últimas da tarde.

Na sua página na internet, a Soflusa informa que, nestes dois dias, o transporte a partir do Barreiro será apenas assegurado entre as 00h05 e a 1h30, às 5h05, entre as 9h30 e as 17h45 e das 22h00 às 23h30.

Para minimizar os efeitos do protesto, Câmara do Barreiro reforçou os autocarros para a estação ferroviária da Fertagus, em Coina, que fica a cerca de dois quilómetros da estação fluvial.

Mas há mais supressões previstas: seis, durante a tarde. E entra esta quinta-feira em vigor o pré-aviso de greve dos mestres às horas extraordinárias, que pode prolongar-se até ao fim do ano.

A Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (Fectrans) anunciou que vão ser reabertas negociações na empresa Soflusa, responsável pelas ligações fluviais entre o Barreiro e Lisboa.

Greve com adesão de 100%, diz sindicato

A greve dos mestres da Soflusa está a registar uma adesão de 100%, refere Carlos Costa, da Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (Fectrans), citado pela agência Lusa.

Todos os mestres da Soflusa aderiram, esta manhã, à paralisação: ou seja, 16.

“Para assegurar as sete embarcações que estão permanentemente a viajar eram necessários 21 mestres, mas na sexta-feira tinham 16”, revela à Renascença José Encarnação, da comissão de utentes dos serviços públicos do Barreiro.

“Não se fazem milagres”, acrescenta.

Na quarta-feira, depois de uma reunião entre os sindicatos e o secretário de Estado Adjunto e da Mobilidade, José Mendes, a Fectrans anunciou que as negociações na empresa vão ser reabertas, mas não foi o suficiente para pôr termo à greve.

Na reunião foram abordadas as matérias laborais transversais à empresa e as matérias que são objeto do pré-aviso de greve dos mestres da Soflusa, o que resultou num acordo em relação a três matérias: regulamento de carreiras, negociações salariais e contratação de pessoal.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.