A+ / A-
​Fórum de Turismo Interno “Vê Portugal”

Interior tem que ter "oferta diferenciadora e estruturada" para os turistas deixarem riqueza no território

22 mai, 2019 - 21:57 • Ana Carrilho

Ideia foi deixada em Castelo Branco pelo secretário de Estado da Valorização do Interior, João Paulo Catarino.
A+ / A-

O Interior precisa do Litoral para se afirmar e o Litoral precisa do Interior para mostrar a diferença e diversidade. Mas se a oferta no primeiro já está consolidada, nos territórios interiores do país ainda há muito para fazer, reconheceu o secretário de Estado da Valorização do Interior, João Paulo Catarino, que participou no painel sobre o Turismo no Interior, no Fórum de Turismo Interno “Vê Portugal”, em Castelo Branco.

O governante considera que a melhor forma de estruturar a oferta turística é em torno de roteiros. Por exemplo, a Rota da A2, entre Chaves e Faro, as Aldeias de Xisto, as Aldeias Históricas, os Caminhos de Santiago. E criando condições para que as pessoas possam viver e trabalhar, além de atrair turistas. É um dos objetivos do Programa Valorizar, com 70 milhões de euros, a que só podem concorrer empresas do Interior.

Para João Paulo Catarino, é preciso dar incentivos aos turistas que chegam a Lisboa, Porto ou ao Algarve para também se aventurarem por outros destinos (ainda) menos turísticos.

“Têm que deixar retorno no território, não queremos que o Interior seja só uma sala de visitas para os turistas de Lisboa ou do Porto, o que exige uma oferta diferenciadora e estruturada. Os preços mais baixos, a qualidade, as paisagens, a boa gastronomia, vinhos, a autenticidade são alguns atrativos. O que temos é que levá-los (os turistas) a percorrer os caminhos de Portugal, depois de lá chegarem, querem voltar e trazer a família e amigos”, afirma o secretário de Estado da valorização Interior.

Universidades e Politécnicos ajudam a combater despovoamento e apostam na capacitação turística

Na opinião de Ana Abrunhosa, presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Centro, já ninguém vai para um destino só por “uma boa cama ou uma boa mesa”. Cada território tem que se posicionar para oferecer a melhor experiência a quem o visita e de preferência, atuar em rede, com parcerias.

O que também implica a existência de população. Por exemplo, na região Centro, muitos são os municípios que se debatem com problemas demográficos: muitos idosos, pouca gente em idade e ainda menos crianças.

No painel, o presidente da Câmara de Seia e da Comunidade Intermunicipal Beiras e Serra da Estrela deixou claro que não bastam os incentivos à natalidade, é preciso criar condições para que as pessoas venham (ou regressem) ao Interior, que tenham emprego e garantias que o seu futuro e da família está garantido.

“Estamos convictos que operacionalizando a capacitação das pessoas e dos territórios num sector como o turismo, vamos conseguir”, referiu Carlos Filipe Camelo.

Uma forma de contrariar o despovoamento é atrair jovens para as universidades e politécnicos. Por exemplo, o Instituto Politécnico de Castelo Branco tem atualmente mais de quatro mil estudantes e também há cada vez mais estrangeiros a procurar esta escola, revelou o presidente do estabelecimento de ensino, António Fernandes.

Por outro lado, a oferta começa a ser complementar e envolvendo todos os atores, referiu o presidente do Instituto Politécnico de Castelo Branco: há infraestruturas rodoviárias, marcas com atratividade como a Tejo Internacional, Naturtejo, Reserva Natural da Serra da Malcata ou a Serra da Estrela, a Cova da Beira. “E muito importante: o turismo passou a fazer parte das prioridades estratégicas dos autarcas.

Turismo científico: porque não?

António Fernandes diz que as autarquias também “puxam pela Academia” para que as possa ajudar com os seus programas de turismo. A ajuda pode vir com o desenvolvimento de novos produtos, melhoria das redes de cooperação e dos planos de comunicação digital das autarquias com os potenciais turistas, alterações nos currículos académicos. Mas também o desenvolvimento de “algum turismo científico na região”, fazendo programas conjuntos com as autarquias. Temos alguma obrigação, refere António Fernandes.

“Não nos podemos limitar a pedir algum apoio para a realização de um congresso internacional, mas inclusive, perguntar ao presidente o que quer apresentar a esse grupo de pessoas, que provavelmente visita a região pela primeira vez e que quer ter contacto com os tais “cheiros e sabores da região.”

Continuidade de políticas, precisa-se

O secretário de Estado da Valorização Interior referiu dois “handicaps” para o Interior: os incêndios de Verão, “que o Governo está a combater o melhor que pode”, e os fundos comunitários, nomeadamente na transição de quadros comunitários, que gera alguns obstáculos”.

Por outro lado, João Paulo Catarino defendeu a continuidade de políticas que resultam, independentemente dos governos, para dar maior estabilidade ao sector. “E no turismo tem havido, com uma correção aqui ou ali, tem havido”.


legislativas 2019 promosite
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.