A+ / A-

Professora acusada de ficar com 6.500 euros de viagem de alunos açorianos

22 mai, 2019 - 20:44

Ministério Público pediu "a aplicação à arguida das penas acessórias de suspensão e de proibição do exercício de funções".
A+ / A-

O Ministério Público requereu o julgamento em tribunal singular de uma professora por crime de peculato, tendo a arguida ficado com 6.500 euros de uma viagem de estudo de alunos açorianos a Londres.

"No essencial, ficou suficientemente indiciado que, no ano letivo de 2013/2014, a arguida apropriou-se de uma quantia superior a 6.500 euros relativa a comparticipações monetárias que lhe foram entregues por alunos de uma turma a que lecionava a língua inglesa, por pais desses alunos, e ainda por professores da referida escola, enquanto organizadora de uma viagem de estudo a Londres", indica nota do MP.

A docente aguarda os termos do processo "sujeita às obrigações decorrentes do termo de identidade e residência", tendo o MP pedido "a aplicação à arguida das penas acessórias de suspensão e de proibição do exercício de funções".

O inquérito foi dirigido pelo MP da secção de Ponta Delgada do Departamento de Investigação e Ação Penal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.