A+ / A-
Europeias 2019

Rangel quer um centro europeu de prevenção de incêndios em Portugal

22 mai, 2019 - 11:49 • Paula Caeiro Varela

O cabeça-de-lista do PSD ao Parlamento Europeu voltou ao tema na visita a Santa Comba Dão.
A+ / A-

Paulo Rangel não larga o tema dos incêndios na campanha para as europeias e, nesta quarta-feira, avançou com uma das propostas de que mais tem falado: a criação de “uma verdadeira força europeia de Proteção Civil”.

“Uma das coisas que gostaríamos era de fazer evoluir o Mecanismo Europeu de Proteção Civil para uma verdadeira força europeia de proteção civil e, nesse caso, que uma das bases aéreas, um centro de meios aéreos europeu ligado à prevenção de incêndios, tivesse a sua sede em Portugal”, afirmou.

“Infelizmente”, prosseguiu, “Portugal tem experiência no combate a incêndios”, pelo que reúne condições para receber essa sede ou centro. Assim, “teríamos aqui meios mais próximos de nós”, justificou ainda.

Na visita matinal que efetuou ao centro de meios aéreos de Santa Comba Dão, o candidato social-democrata quis ainda sublinhar a existência de três helicópteros que não podem ser utilizados por “por falhas burocráticas, procedimentais, negligência do Governo”.

“É que estão aqui, digamos, selados e depositados, três dos helicópteros que estão parados e que deviam estar já ao serviço da Proteção Civil. Ao longo destes anos, o Governo não foi capaz, depois de 2017, de chegar à abertura da época de incêndios com todos os meios aéreos disponíveis. Eles estão aqui, mas não podem ser utilizados. Este concurso começou em 2018 para estar pronto a 15 de maio de 2019”, sublinhou Paulo Rangel.

O cabeça-de-lista do PSD almoça ainda no distrito de Viseu, num convívio que conta com a presença do antigo líder do partido, Luís Filipe Menezes.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.