A+ / A-

​Pedro Nuno Santos, o "ministro da paz social" contra o centro e os liberais

22 mai, 2019 - 00:38 • Susana Madureira Martins

O ministro das Infraestruturas fez esta terça-feira à noite, em Aveiro, o discurso mais ideológico de campanha, com vários recados ao primeiro-ministro e líder do PS sobre os perigos de uma aproximação dos socialistas ao centro.
A+ / A-

O presidente da federação do PS Aveiro, Jorge Sequeira, foi o primeiro a falar no comício e anunciou Pedro Nuno Santos como "o ministro da paz social". E quando o ministro das Infraestruturas se lançou ao palco do pequeno auditório da Expo Aveiro foi a explosão na sala, com os militantes a aplaudirem de pé.

Pedro Nuno é um filho do distrito e tinha engatilhado o discurso mais ideológico que, até agora, se ouviu no período oficial de campanha para as eleições europeias.

Com o primeiro-ministro, António Costa, acabado de regressar de um encontro com o Presidente francês, Emmanuel Macron, em busca de uma frente progressista na Europa, o ministro das Infraestruturas avisou sobre os perigos que os socialistas correm com uma aproximação ao centro e aos liberais e pediu aos socialistas se questionem "o que ganhou o movimento socialista europeu com uma aproximação ao centro, com uma adesão ao liberalismo, com uma indiferenciação face ao centro-direita?"

Pedro Nuno Santos fez a pergunta e "a resposta" está "em muitos países europeus onde os Partidos Socialistas eram fortes e praticamente desapareceram", referindo que os socialistas "têm um dever para com este povo que trabalha e que não vê a sua vida a sair da cepa torta". Conclusão: "esta é a responsabilidade que os socialistas europeus e os sociais-democratas têm em toda a Europa".

O ministro das Infraestruturas assume que os socialistas "cometeram erros" e deu o exemplo "das privatizações durante décadas".

No futuro, a Europa precisa de "uma tensão construtiva, de uma tensão saudável nas instituições europeias, porque democracia é isso, democracia é conflito, é dicotomia, é diferença, é também capacidade de dialogar, conseguir compromisso, a democracia tem de ter esta tensão permanente que os socialistas querem levar ao coração da Europa".

Um discurso que teve um cheirinho de resposta por parte da secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes. A dirigente nacional do PS falou em Aveiro em representação do líder socialista, António Costa, e foi por isso a última a falar. E uma das coisas que defendeu foi, exatamente, a necessidade de os socialistas serem "uma frente progressista para o desenvolvimento do projecto europeu".

Ora, esta é uma ideia que Costa tem defendido nesta campanha para as europeias desde o discurso em Mangualde que marcou o arranque da caravana, falando dessa "frente progressista" entre europeus que podia reunir desde o Presidente francês ao primeiro-ministro grego, Tsipras.

O outro Pedro, o "homem sério e competente"

Por duas vezes, Pedro Nuno Santos fez questão de dizer, nesta intervenção em Aveiro, que "em Portugal o PS é a casa da social-democracia", falando ainda de Pedro Marques, o cabeça de lista dos socialistas a estas europeias e seu antecessor na pasta das Infraestruturas como "um homem sério e competente".

Foi, então, a vez desse "homem sério e competente" falar à plateia para dizer algo que ainda não tinha dito no período oficial de campanha. Que a direita europeia está a aproximar-se do discurso da extrema-direita, acusando o Partido Popular Europeu (PPE), a família política de PSD e CDS de ter "um programa securitário".

O candidato número um dos socialistas pegou no manifesto do PPE e falou da alegada intenção da direita de criar "uma espécie de polícia contra os refugiados e os migrantes", por esta defender uma guarda costeira com a prerrogativa de intervenção direta nas fronteiras de cada Estado-membro.

Para Pedro Marques, a direita europeia "está a ceder às ideias daqueles que são a fronteira vermelha, que são os xenófobos e a extrema-direita", rematando que não se revê "neste tipo de programa".

Uma sessão com militantes onde houve o óbvio apelo ao voto naquela que é a segunda semana de campanha. "Não há votos fúteis, todos os votos contam", diz Pedro Marques, ideia reforçada pela secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, que mais uma vez dramatizou o regresso de Pedro Passos Coelho à campanha eleitoral do PSD, dizendo que até "foi bom e até pedagógico ver o regresso " do ex-primeiro-ministro, porque afinal "todos nos lembramos daquele que prometeu que não cortava subsídios de Natal e cortou".

Ali ao lado da Expo Aveiro, a escassos quilómetros do outro lado da cidade, estava a caravana de Paulo Rangel, o cabeça de lista do PSD a estas europeias de 26 de maio, acompanhado pelo líder do partido Rui Rio também num comício ao ar livre.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Sofia
    22 mai, 2019 Lx 10:46
    RR, o historial deste Sr. não é da paz, mas um arruaceiro e esquerdista radical.