A+ / A-

OCDE. Défice zero em 2020 pode não concretizar-se

21 mai, 2019 - 10:12 • Redação

Relatório estima que o crescimento do PIB seja de 1,8% em 2019 e de 1,9% em 2020.
A+ / A-

No “Economic Outlook”, publicado esta terça-feira, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) contraria as previsões do Governo para este e para o próximo ano.

O ministro Mário Centeno previa um défice 0,2% este ano, mas a organização agrava a perspetiva e antecipa que Portugal fecha 2019 com 0,5% de défice.

Quanto a 2020, o ano do défice zero antecipado pelo Ministério das Finanças, poderá afinal ter um défice de 0,2% do Produto Interno Bruto.

O mesmo relatório estima que o crescimento do PIB seja de 1,8% em 2019 e de 1,9% em 2020. Já o Programa de Estabilidade entregue na Assembleia da República aponta para 1,9% de crescimento.

Deixa, contudo, uma chamada de atenção para o abrandamento das exportações. Lembra que têm sido os fatores internos a suportar a expansão do PIB, mas que a contração da economia dos parceiros comerciais de Portugal terá impacto nas exportações portuguesas.

A organização liderada por Ángel Gurría destaca ainda que a atual regulação em alguns setores, incluindo serviços e transportes, deveria sofrer alterações, assim como aconselha reformas no sistema judicial e uma maior aposta na orientação vocacional.

Sobe previsão para Zona Euro

A OCDE melhorou a previsão de crescimento para 2019, para 1,2%, duas décimas acima da anterior estimativa, mas antecipa que a incerteza política e as tensões comerciais vão continuar a penalizar as exportações e o investimento.

Em março, na atualização intercalar das suas previsões económicas (‘Interim Economic Outlook’), a OCDE tinha descido para 1% a expansão da economia da zona euro.

A OCDE antecipa que a Alemanha cresça 0,7% este ano, enquanto o PIB de Itália deve estagnar e o do Reino Unido crescer 1,2% este ano (acima dos 0,8% projetados em março).

Para 2020, a organização também melhorou em duas décimas a estimativa para a evolução da economia da zona euro, para 1,4%.

E a OCDE indica ainda que um ‘Brexit’ (saída do Reino Unido da União Europeia) desordenado também colocará pressão acrescida sobre a evolução económica, com os países com maiores ligações ao Reino Unido a serem mais atingidos.

De igual modo, um abrandamento maior que o esperado nas economias emergentes reduziria a procura externa e poderia provocar instabilidade financeira.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.