A+ / A-

PJ faz buscas no Hospital de Cascais

20 mai, 2019 - 19:02 • Redação

Em causa estão denúncias de falseamento de resultados clínicos para, alegadamente, aumentar o financiamento da parceria público-privada.
A+ / A-

A Polícia Judiciária (PJ) realiza esta segunda-feira buscas nos Hospital de Cascais, avança a SIC Notícias.

Os investigadores estiveram também na sede do grupo Lusíadas Saúde.

Em causa estão denúncias de falseamento de resultados clínicos para, alegadamente, aumentar o financiamento da parceria público-privada.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) já confirmou as buscas no Hospital de Cascais.

O Hospital de Cascais anunciou que está "a cooperar totalmente com a Inspeção-Geral das Atividade em Saúde (IGAS) e com a Polícia Judiciária", no âmbito de um inquérito dirigido pelo Departamento de Investigação e Ação Penal de Sintra.

"O Hospital de Cascais sempre se empenhou em prestar aos seus utentes cuidados de saúde de elevada qualidade e em servir a comunidade com a máxima integridade. Encaramos estas alegações de forma muito séria e estamos ativamente a investigá-las, bem como estamos a cooperar totalmente com a Inspeção-Geral das Atividades em Saúde e com a Polícia Judiciária", refere um comunicado do hospital em resposta à agência Lusa.

A denúncia de alegadas manipulações foi feita pela SIC, numa reportagem emitida a 13 de maio, em que um grupo de antigos e atuais profissionais do hospital acusa a administração de falsear resultados clínicos e algoritmos do sistema de triagem da urgência para aumentar as receitas que são pagas à parceria público-privada.

O Hospital de Cascais negou "qualquer envolvimento no falseamento de quaisquer resultados clínicos ou de quaisquer algoritmos de sistema de triagem".

O Ministério Público determinou a abertura de um inquérito para apurar denúncias e o Ministério da Saúde ordenou uma inspeção.

[notícia atualizada às 21h19]


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.