A+ / A-

Ministro da Defesa defende que Portugal precisa de uma Marinha bem equipada

19 mai, 2019 - 15:17 • Lusa

Ministro diz que, nos próximos 12 anos, o Estado vai fazer “um reforço muito significativo” ao nível dos meios humanos e equipamentos da Marinha.
A+ / A-

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, realçou este domingo a importância do mar para Portugal ao longo dos séculos, defendendo que o país precisa de uma Marinha “bem equipada” face aos desafios atuais.

Nos próximos 12 anos, segundo o ministro, o Estado vai fazer “um reforço muito significativo” ao nível dos meios humanos e equipamentos, designadamente na renovação da frota.

“Vamos reforçar a capacidade da nossa Marinha”, disse João Gomes Cravinho aos jornalistas, em Coimbra, no final da sua participação nas comemorações do Dia da Marinha, em que esteve acompanhado pela secretária de Estado da Defesa Nacional, Ana Santos Pinto.

Na sua intervenção, afirmou que “existe, hoje, na nossa sociedade um amplo consenso sobre a centralidade que o mar deve assumir no nosso desenvolvimento enquanto sociedade do século XXI e na afirmação internacional” de Portugal.

“O mar representa hoje um espaço de inovação e desenvolvimento que nos cabe fazer cumprir e configura-se como um dos nossos ativos estratégicos principais”, salientou.

Para o ministro da Defesa, “é um desígnio nacional e uma profunda fonte de sentido de pertença se o seu conhecimento for apoiado e suportado, como base de políticas públicas”.

“O trabalho desenvolvido pela Marinha, em todas as dimensões da sua interação com os nossos espaços marítimos e ribeirinhos, contribui de forma insubstituível para esse conhecimento, para esse sentido de pertença, para essa ligação afetiva com o mar”, acrescentou.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.