A+ / A-

EUA admitem ter bombardeado forças de segurança do Afeganistão por engano

18 mai, 2019 - 17:32 • Agência Lusa

Bombardeamento ocorreu na quinta-feira a pedido de tropas afegãs que travavam uma batalha com insurgentes talibãs na capital da província de Helmand.
A+ / A-

As tropas norte-americanas no Afeganistão reconheceram que bombardearam por engano as forças de segurança afegãs, na quinta-feira, quando lhes tentavam dar apoio aéreo, durante um confronto com os talibãs na província de Helmand, no sul do país.

O bombardeamento ocorreu a pedido de tropas afegãs que travavam uma batalha com insurgentes na capital provincial Lashkargah, explicou o porta-voz das forças norte-americanas no país, o coronel Dave Butler, num comunicado enviado hoje à agência Efe.

Segundo a mesma fonte, uma unidade de coordenação afegã confirmou na altura que a área estava livre de forças aliadas.

“Infelizmente, não estava e isso resultou num trágico acidente. Morreram nos bombardeamentos tanto membros das forças de segurança afegãs como combatentes talibãs”, afirmou Butler, que não especificou o número de baixas.

O porta-voz assegurou que a “má comunicação” está a ser investigada para que não volte a repetir-se no futuro.

O chefe do Conselho Provincial de Helmand, Attaullah Afghan, assegurou na sexta-feira à agência Efe que 17 polícias morreram e 14 ficaram feridos na intervenção aérea de quinta-feira, apesar de as autoridades centrais não confirmarem o número de vítimas nem as causas do acidente.

Nos últimos meses, Washington - que mantém a sua presença no Afeganistão no âmbito da missão da NATO para treinar tropas afegãs e executar tarefas antiterroristas - e os insurgentes do mulá (personalidade da hierarquia religiosa islâmica xiita) Haibatullah realizaram várias rondas de negociações nos países do Golfo.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.