A+ / A-
Europeias 2019

Nuno Melo acusa Centeno de se comprometer com impostos europeus

18 mai, 2019 - 16:35 • Redação com Lusa

Em causa estão as declarações do ministro das Finanças, em entrevista à Renascença, onde admitiu que “faz sentido taxar os gigantes digitais e financeiros” em conjunto.
A+ / A-

O eurodeputado do CDS Nuno Melo atacou este sábado o ministro das Finanças por ter dado uma “indicação institucional a Bruxelas da disponibilidade” de Portugal para a criação de “impostos europeus, à margem de qualquer autorização do parlamento”.

Em causa estão as declarações de Mário Centeno, em entrevista à Renascença, onde admitiu que “faz sentido taxar os gigantes digitais e financeiros” em conjunto.

A acusação de Melo surgiu durante uma ação de campanha em Oliveira do Bairro, distrito de Aveiro, na qual criticou o facto de esta indicação ter sido dada “em plena campanha eleitoral”, numa matéria, a eventual criação de impostos europeus, que divide “profundamente” o PS, que os defende, e o CDS, que é contra, segundo disse.

“Não compreendemos realmente que, em plena campanha eleitoral” o “ministro socialista Mário Centeno se permita dar indicação institucional, a Bruxelas, da disponibilidade para impostos europeus, à margem de qualquer autorização do parlamento e basicamente impondo a todos os portugueses aquilo que eventualmente os portugueses não querem”, afirmou aos jornalistas.

O cabeça de lista do CDS às eleições de 26 de maio de 19 acrescentou que “não é sério, em campanha eleitoral, um ministro socialista comprometer o Estado português com impostos que são europeus, basicamente abdicando uma parcela muito relevante a soberania” do país, sublinhou ainda.

Na véspera, num jantar com militantes, no Montijo, Setúbal, Nuno Melo já havia mencionado o assunto e a carta do comissário Pierre Moscovici enviada, segundo ele, ao ministro Mário Centeno, que é também presidente do Eurogrupo, a propor esta iniciativa.

Para esclarecer o assunto, o CDS vai pedir a audição do ministro das Finanças, na Assembleia da República.

Numa câmara do CDS, Oliveira do Bairro, Nuno Melo foi ver um projeto de revitalização do mercado, que inclui bicicletas elétricas partilhadas, construídas por uma empresa portuguesa.

Duarte Novo, o presidente do município, explicou o projeto e Melo interveio para distribuir os louros quer pelos autarcas quer pela União Europeia e menos pelo Governo socialista.

“A estratégia não é do ministro do Ambiente, é da União Europeia. E a economia circular, com esta componente ecológica, é decisão do presente, da Comissão Europeia, do Conselho e do Parlamento Europeu”, declarou o.

E Portugal, que “tem desperdiçado tremendamente fundos comunitários, aqui pode dar um exemplozinho de como a execução acontece, graças aos autarcas”, afirmou o eurodeputado que, a seu lado, ouviu o “número dois” da lista, Pedro Mota Soares, dizer que o “fundo ambiental foi negociado pelo Governo anterior”, PSD/CDS.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.