A+ / A-
Israel

Ativista mostra cartaz na Eurovisão contra "apartheid" israelita

17 mai, 2019 - 00:46 • Redação com Lusa

"Atreve-te a sonhar o fim do ‘apartheid’", lia-se na faixa. A ativista foi expulsa de forma pacífica por agentes de segurança.
A+ / A-

Uma ativista com um cartaz contra o "apartheid" israelita conseguiu na quinta-feira irromper na segunda semifinal do Festival da Eurovisão, em que foram apurados mais 10 países finalistas que participação na final do próximo sábado.

"Atreve-te a sonhar o fim do ‘apartheid’", lia-se na faixa, numa alusão ao tema deste ano do festival, "Atreve-te a sonhar", exibida pouco antes do anúncio dos resultados. A ativista conseguiu, assim, furar as medidas de segurança, que proíbem a entrada de cartazes com conteúdo político.

Quebrou ainda a regra que restringe a exibição de bandeiras que não pertençam a países participantes, ao vestir uma camisola referente à Palestina. A ativista foi expulsa de forma pacífica por agentes de segurança.

O episódio não foi captado pela realização da semifinal, a cargo da televisão pública israelita KAN.

Este é o último episódio de uma série de ações a favor do boicote a esta edição da Eurovisão que decorre em Israel, em protesto pela forma como o Governo israelita trata os palestinianos.

Nesta semifinal foram apurados os restantes 10 países que participarão na final de sábado: Macedónia do Norte (Tamara Todevska, "Proud"), Holanda (Duncan Laurence, "Arcade"), Albânia (Jonida Maliqi, "Ktheju Tokës"), Suécia (John Lundvik, "Too Late For Love"), Rússia (Sergey Lazarev, "Scream"), Azerbaijão (Chingiz, "Truth"), Dinamarca (Leonora, "Love Is Forever"), Noruega (KEiiNO, "Spirit In The Sky"), Suíça (Luca Hänni, "She Got Me"), Malta (Michela Pace, "Chameleon").

Os países que não se qualificaram foram Arménia, Irlanda, Moldávia, Letónia, Roménia, Áustria, Croácia e Lituânia.

A final do concurso, que decorre no sábado, é disputada pelos 20 países escolhidos nas semifinais, 10 em cada semifinal, pelos denominados “Cinco Grandes” (França, Alemanha, Itália, Espanha e Reino Unido) e pelo país anfitrião (Israel).

Portugal falhou na terça-feira a passagem à final, com o representante português, Conan Osíris, e a canção “Telemóveis”, a não passar da primeira semifinal.

São 41 os países que participaram este ano na Eurovisão, mas só 26 competem na grande final de sábado.

Este ano assinala-se a 64.ª edição do concurso, no qual Portugal participou a primeira vez em 1964, tendo entretanto falhado cinco edições (em 1970, 2000, 2002, 2013 e 2016). Entre 2004 e 2007, inclusive, e em 2011, 2012, 2014 e 2015, Portugal falhou a passagem à final.

Já em 2017, pela primeira vez, Portugal venceu com o Festival Eurovisão da Canção com Salvador Sobral, que interpretou a música “Amar pelos dois”, composta pela irmã, Luísa Sobral. Por ter vencido em 2017, no ano seguinte Portugal foi o anfitrião do evento, tendo ganho então a israelita Netta, com o tema "Toy", motivo pelo qual este ano o festival de música decorre em Telavive.

Pouco antes da segunda semifinal, a organização da Eurovisão 2019 confirmou finalmente que Madonna atuará na grande final.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.