A+ / A-
Eleições europeias

Marinho Pinto acusa jornalistas de serem "uma parte do grande problema" de Portugal

16 mai, 2019 - 14:52 • Agência Lusa

Candidato do Partido Democrático Republicano (PDR) diz que foi "banido" pelos órgãos de comunicação social.
A+ / A-

O cabeça de lista do Partido Democrático Republicano (PDR) Marinho e Pinto, acusou esta quinta-feira os órgãos de comunicação social (OCS) portugueses de "funcionarem como uma espécie de cortesãos" dos grandes partidos, considerando que o seu tem sido "banido".

Durante uma ação de campanha do partido, em Braga, o eurodeputado discorreu críticas à comunicação social, mais do que aos seus adversários nas eleições europeias de dia 26, acusando os jornalistas de serem "uma parte do grande problema" da democracia portuguesa.

Quanto aos seu reais adversários, sem nomear nenhum outro cabeça de lista, Marinho e Pinto disse que a campanha tem sido "panfletária" e de "inventarem desacordos" quando na União Europeia defendem o mesmo.

"Tenho sido banido da informação. Com uma comunicação social que funciona como uma espécie de cortesãos dos cinco partidos na Assembleia da República, assim é muito difícil haver uma mudança", afirmou o candidato, eleito para o Parlamento Europeu em 2015 pelo Movimento Partido da Terra (MPT) mudando depois para o PDR.

Para o líder do PDR "a generalidade dos jornalistas faz informação em compromisso com as fontes e não com os destinatários", apontando o dedo ao papel da comunicação social na sociedade.

"Vocês, jornalistas portugueses, são uma parte do grande problema da democracia portuguesa que é a não credibilidade (uma comunicação social que não respeita o pluralismo, que não é plural que não é isenta faz toda a diferença no combate politico.

Já sobre os outros partidos que concorrem igualmente às eleições europeias, O PDR acusa-os de realizarem farsas: "O PS e o PSD estão de acordo maquio que é essencial para a Europa , cheira a eleições e inventam desacordos, ódios quase, para encenar aquilo que não existe", disse.

"O PCP e o BE passaram quatro anos a apoiar o Governo. No Parlamento Europeu andam a fazer as encenações de sempre, panfletárias", completou.

Marinho e Pinto afirmou assim que quer "trazer mais verdade, autenticidade ao debate para que o debate não seja a teatralização que tem sido sistematicamente".

Como bandeiras de campanha, o PDR apresenta "uma gestão coerente das fronteiras externas, politicas comuns de segurança e de defesa, um salário mínimo para toda a Europa" e a "defesa da moeda única.

Questionado sobre o que fará se não for eleito, Marinho e Pinto deixou uma garantia: "Vou-me meter noutras aventuras. Calado não vou ficar, nem quieto", respondeu.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.