A+ / A-
Europeias 2019

Pedro Marques desafia direita a explicar voto contra dos passes sociais

15 mai, 2019 - 23:30 • Susana Madureira Martins

O cabeça de lista do PS falava esta quarta-feira em Almeirim num jantar de campanha das eleições europeias, onde regressou também ao discurso da "campanha suja" para atacar o PSD.
A+ / A-

Desta vez não foi António Costa a dizê-lo, desta vez foi Pedro Marques a falar da "campanha suja". Foi logo no início do discurso desta quarta-feira à noite num jantar em Almeirim com militantes que o cabeça de lista do PS regressou de passagem ao tema.

O ministro do ambiente, João Pedro Matos Fernandes tinha acabado de falar sobre alterações climáticas, como convidado desta acção de campanha, e o candidato ao Parlamento Europeu (PE) retomou a expressão usada na noite anterior pelo secretário geral socialista.

"João Pedro Matos Fernandes, para além de ser um homem que sabe muito de tudo, sabe muito de algo que é muito importante para o mundo, para a Europa, para Portugal, que é este desafio das alterações climáticas, e aqui está o PS outra vez a falar das coisas que importam, não das campanhas sujas e não dessas coisas que não interessam nada".

O cabeça de lista do PS às eleições europeias desafiou depois PSD e CDS a explicarem nesta campanha porque votaram contra a medida dos passes sociais.

"A direita fez ruído, provocou ruído durante semanas, porque nunca quis explicar porque é que votou contra a medida dos passes sociais, ainda vão a tempo de explicar aos portugueses, têm toda uma campanha para explicar como é que se lembraram de votar contra a medida dos passes sociais".

Nesta quarta-feira marcada pelo acidente de automóvel do líder do partido Aliança, Pedro Santana Lopes e do cabeça de lista às europeias, Paulo Sande, o candidato socialista ao PE deixou uma mensagem para ambos de " rápido restabelecimento aos candidatos do Aliança que hoje foram afectados por um acidente rodoviário" esperando que rapidamente estejam restabelecidos e que tenha sido apenas um susto", com Pedro Marques a desejar "tudo de bom".

Um jantar com algumas centenas de pessoas, onde esteve presente o secretário-geral do PS, António Costa, desta vez em tom menos duro do que o que marcou o comício de Faro na terça-feira num ataque ao PSD e nitidamente não quis apagar o discurso do seu cabeça de lista às europeias.

O líder socialista optou por fazer vários apelos ao voto "para defender Portugal" e "dar força ao PS", referindo-se ainda aos dados económicos do Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgados esta quarta-feira, com Costa a salientar que "Portugal não está em desaceleração" e que "a economia está a crescer acima da média europeia".

O discurso de Costa em Almeirim terminou com a letra de uma música sobre o Ribatejo, o hino da Chamusca que o secretário geral do PS considera que exprime bem o que se deve "dizer sobre Europa".

Costa então ensaiou o refrão "todos juntos, juntos somos o coração do Ribatejo", modificando a letra para "todos juntos,juntos somos o coração de Portugal, todos juntos, juntos somos o coração da Europa", concluindo com um "nós somos Europa". E nada mais disse à sala cheia do restaurante ribatejano, que desatou a comer caldo verde.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • J M
    16 mai, 2019 16:27
    PSD e CDS votaram contra a medida dos passes sociais, porque um dia quando estes pafiosos chegarem ao poder, esta e outras medidas sociais criadas por este governo acabam logo. Como o dinheiro não dá para todos, criam-se mais uns incentivos fiscais à banca, EDP, GALP, etc. e o "pilim" muda de ares, passa da mão do povo e vai parar à mão dos acionistas.