A+ / A-

​Sabe quantos conventos existem em Lisboa?

15 mai, 2019 - 18:54 • Liliana Monteiro com Redação

O “Open Conventos” decorre nos próximos dia 23, 24 e 25.
A+ / A-

O que têm em comum a Assembleia da República, o Museu Nacional de Arte Antiga ou os Armazéns do Chiado? Pode obter resposta a estas questões no “Open Conventos”, uma iniciativa do Patriarcado de Lisboa, Camara Municipal e Santa Casa, que decorre nos próximos dia 23,24 e 25.

“Este encontro tem como objetivo principal dar a conhecer grandes casas conventuais da cidade de Lisboa que tiveram uma missão com grande impacto social na cidade de Lisboa antes – como algumas mantêm agora. E depois irmos à descoberta de todos estes conventos, muitos deles encerrados ao público. Para além disso haverá dentro deste programa das visitas algumas que são itinerário, ou seja, conjuntos de conventos na mesma zona. Outras que serão visitas individuais orientadas por especialistas – professores universitários, especialistas da câmara, especialistas do patriarcado. E outras as pessoas fá-lo-ão por sua livre iniciativa”, explica a responsável da Direção da Cultura da Santa Casa.

O “Open Conventos” começa com um debate muito importante, sublinha Margarida Montenegro.

“A grande pergunta de fundo é: que usos? O que é que se quer? Com certeza que se vão levantar imensas questões. Deve haver limites aos usos de um espaço que foi conventual, isto é, deve haver critérios éticos nesses usos? Isto é uma coisa que me interpela. Essas intervenções nesse espaço devem preservar a memória material e imaterial – e o imaterial é a parte espiritual – desses locais?”

No site Quo Vadis pode encontrar todas as informações detalhadas, assim como inscrever-se para as visitas.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.