A+ / A-

Linha SOS. Violência sobre idosos aumentou 20% em 2018

15 mai, 2019 - 07:26 • Lusa

Segundo os dados, a maioria das vítimas são mulheres, sendo cerca de 70% dos agressores são familiares.
A+ / A-

A violência sobre idosos registada pelo serviço SOS Pessoa Idosa aumentou 20% em 2018, sendo cerca de 70% dos agressores familiares das vítimas, revela um estudo.

Dados da Fundação Bissaya Barreto, que opera aquela linha de apoio de âmbito nacional, em 2018 registaram-se 317 pedidos de ajuda/contactos e 280 processos internos, tendo sido efetuadas 489 articulações interserviços, o que representa um aumento de cerca de 20%, comparativamente ao ano anterior.

Entre 2015 e 2018, o número de pedidos de ajuda duplicou e os processos quadruplicaram, indicam os dados conhecidos no Dia Mundial da Família.

Na sua maioria (66%), as vítimas são mulheres e quase metade da amostra (47%) corresponde a pessoas em situações de viuvez e a média de idades é de 79 anos.

Do total de vítimas registadas, 39% vivem sozinhas, 21% residem com os filhos, 14% com o cônjuge e 9% em instituições.

Segundo os dados, os casais são vítimas em conjunto em 10% das situações.

A autonegligência teve lugar em 10% dos casos, correspondendo à adoção de comportamentos por parte dos idosos acompanhados que ameaçam a sua própria saúde ou segurança.

"Em Portugal, um dos fatores que pode contribuir para aumentar a vulnerabilidade da população idosa face às situações de violência é o facto de este ser um dos países da Europa onde existe uma maior proporção de pessoas com 75 e mais anos, a coabitar ou ao cuidado de familiares diretos, por afinidade, ou por pessoas sem laço familiar", refere a fundação.

Cerca de 50% dos agressores são filhos das vítimas

Nas denúncias efetuadas ao serviço SOS Pessoa Idosa, no ano de 2018 cerca de 70% dos agressores estão identificados como familiares, "pelo que se pode inferir que a relação entre a vítima e o agressor é, na maior parte dos casos, de parentesco. Cerca de 50% dos agressores são filhos das vítimas.

O género é primeiro dado relevante em relação à caracterização do presumível agressor: 46% dos agressores são homens. Relativamente ao estado civil do agressor, 26% dos identificados são solteiros, com idade média de 50 anos.

No Alentejo e no norte do país, com mais casos de isolamento e com menor densidade populacional, verifica-se um aumento considerável do número de denúncias e de situações de violência sinalizadas em comparação com os dados dos anos anteriores, segundo os dados divulgados.

Como formas de violência mais frequentes, de acordo com a identificação realizada pelo SOS Pessoa Idosa, surgem agregadas a violência psicológica e a violência física (17%), o abuso financeiro e a violência psicológica (16%) e a negligência e abandono (15%).

O distrito com mais pedidos de ajuda e denúncias é o de Lisboa, com 24%, seguido de Coimbra, com 21%, de Setúbal, com 14% e do Porto, com 9%.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.