A+ / A-
Europeias 2019

Marisa diz que problema do SIRESP mostra que país não está preparado para incêndios

14 mai, 2019 - 20:43 • Lusa com Redação

Na perspetiva da cabeça de lista do BE às europeias, Portugal ainda não aprendeu "as lições todas" com o passado.
A+ / A-

A cabeça de lista do BE às europeias, Marisa Matias, considerou esta terça-feira que Portugal ainda não aprendeu "as lições todas" com os últimos incêndios, dando o exemplo das comunicações, concretamente do SIRESP, um problema que continua por resolver.

A tarde do segundo dia oficial de campanha de Marisa Matias foi dedicada a Monchique, no distrito de Faro, concelho ao qual voltou depois de, em agosto do ano passado, o ter visitado na sequência do incêndio que ali lavrou durante uma semana.

"Se a questão das comunicações não está resolvida é desde logo uma das dimensões que mostra que não estamos preparados [para os incêndios] porque ainda não se aprendeu com os erros dos sucessivos falhanços que tivemos ao nível do SIRESP [Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal]", avisou, em declarações aos jornalistas.

Na perspetiva de Marisa Matias, Portugal ainda não aprendeu "as lições todas" com o passado e por "não está ainda preparado" para lidar com este fenómeno.

"É um daqueles domínios em que a articulação das diferentes políticas tem que ser feita nas diferentes escalas", explicou.

Falando aos jornalistas na freguesia de Alferce, onde também esteve o ano passado, a eurodeputada do BE considerou que este é um "problema muito mais estrutural, que tem a ver com a falta de respostas não apenas nacionais, mas também europeias, em situações que se tornam cada vez mais frequentes".

"Temos questões que estão relacionadas com os próprios sistemas de proteção civil a nível nacional e a nível europeu que são as questões das comunicações que não podem falhar e em Portugal nós não temos memória, infelizmente, de nenhuma tragédia em que o SIRESP não tenha falhado", condenou.

Sublinhando a necessidade de "tomar medidas", Marisa Matias insiste assim no controlo público do SIRESP, uma proposta que tem vindo a ser defendida pelo BE.

"Com a aprovação do mecanismo europeu de proteção civil poderá haver melhorias do ponto de vista da articulação das comunicações, da utilização de recursos partilhados, de recursos próprios que possam ser enviados para os locais onde são necessários, mas a verdade é que a nível nacional esse problema está por resolver", alertou.

Concretamente sobre os incêndios de Monchique, Marisa Matias lamentou a ausência de apoios às pessoas afetadas "por questões muitas vezes até de natureza burocrática, o que acaba por ser incompreensível".

"Depois temos que ter também uma diferente política para a floresta, uma política que consiga fazer bem a diferença e a separação entre o que é ter uma floresta sustentável ou uma floresta ‘financeirizada'", propôs.

Na perspetiva de Marisa Matias, "no quadro nacional foi possível já avançar com algumas ideias para uma política florestal que aponte mais para uma floresta estável" - apesar de não estarem ainda as medidas todas tomadas - mas no quadro europeu, "infelizmente têm avançado mais propostas que apoiam a floresta ‘financeirizada'", lamentou.

Antes da visita a Alferce, Marisa Matias esteve nos Bombeiros Voluntários de Monchique.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.