A+ / A-
Europeias 2019

CDU visita trabalhadores (descontentes) da Autoeuropa. "Onde estavam quando estivemos em greve?"

13 mai, 2019 - 20:02 • Pedro Filipe Silva

Questionado se foi uma derrota para a CDU a implementação do novo horário de trabalho, João Ferreira foge ao tema e sublinha que é preciso continuar a lutar por um melhor modelo de sociedade.
A+ / A-

"Bom descanso, mais força à CDU para valorizar o trabalho e os trabalhadores”. A frase era repetida vezes sem conta por João Ferreira à medida que as centenas de trabalhadores da Autoeuropa saiam de mais uma jornada de trabalho.

O eurodeputado e recandidato ao Parlamento Europeu distribuiu os panfletos de propaganda e ainda ouviu lamentações.

“Como é que posso votar no domingo?”, questionou um trabalhador. A pergunta tinha claramente um objetivo: mostrar o descontentamento com os novos turnos. Depois rematou. “Eu só vou aceitar um papel desses quando vierem cá ao domingo. E onde é que vocês estavam quando nós estivemos em greve?”. Rapidamente João Ferreira respondeu que o seu partido lutou para que não trabalhassem ao domingo.

O trabalho ao domingo é exatamente o ponto de maior discórdia no novo acordo laboral na fábrica de Palmela, em vigor desde o ano passado. João Ferreira sabe disso e recorda mesmo que o partido não vem à Autoeuropa apenas quando há eleições.

Quanto à questão do trabalho por turnos é um dos desafios que o eurodeputado apresenta soluções que devem ser discutidos ao nível europeu.

“Não é aceitável que com o progresso científico e tecnológico as pessoas passem a viver pior do ponto de vistas das condições que têm para compatibilizar a sua vida profissional com a familiar. Queremos instituir à escala europeia do princípio do não-retrocesso para haver avanços do ponto de vista civilizacional.”

As negociações para o novo horário de trabalho na Autoeuropa em 2017 não foram fáceis. Questionado se foi uma derrota para a CDU a implementação do novo horário de trabalho, João Ferreira foge ao tema e sublinha que é preciso continuar a lutar por um melhor modelo de sociedade.

“Se não está tudo conquistado ainda é porque a solução é continuar a lutar em torno do que se considera serem reivindicações justas. Pela nossa parte é nossa intenção continuar a fazer o que temos feito, que é ter uma intervenção institucional, seja na Assembleia da República, seja no Parlamento Europeu.

São reivindicações que estão associadas a avanços na melhoria das condições de vida destes trabalhadores, mas estão também associadas do ponto de vista civilizacional, da sociedade que queremos e da sociedade que defendemos. Não defendemos uma sociedade em que a precariedade e a instabilidade na vida dos trabalhadores estão generalizadas. Isto não é um modelo de sociedade que nós possamos aceitar e por isso lutamos por outro”, rematou o candidato da CDU à entrada da Autoeuropa, onde esteve exatamente quinze minutos antes Marisa Matias.

A candidata do Bloco de Esquerda teve mais sorte, não ouviu os lamentos de quem iniciava um novo turno. No fim guardou as bagagens e não fez declarações aos jornalistas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.