A+ / A-
Europeias 2019

Rangel, em duas rodas, fala em "campanha picadinha"

13 mai, 2019 - 19:28 • Hugo Monteiro

No primeiro dia oficial da campanha eleitoral às europeias, Paulo Rangel dedicou o dia ao tema da defesa do ambiente e do combate às alterações climáticas.
A+ / A-

Volta a Portugal que se preze, faz-se em duas rodas. No primeiro dia de campanha pelo país, Paulo Rangel aceitou o desafio e o incentivo do staff que o acompanha, subiu a uma bicicleta e pedalou ao longo do Esteiro de Salreu, na Ria de Aveiro. Um dos percursos do Centro de Interpretação Ambiental Bioria. Alguns quilómetros em pelotão, com o cabeça de lista… à cabeça.

Mas o tiro de partida tinha sido dado ao início da manhã e por Luís Montenegro. Natural da cidade, aproveitou um palco tradicional destas campanhas - a feira de Espinho – para quebrar o silêncio que mantinha há 4 meses, depois de ter desafiado Rui Rio, com vista à liderança do PSD.

Montenegro enterrou o machado de guerra, disse que Rangel é o candidato mais capaz nestas Europeias, acusou PS, Bloco de Esquerda e PCP de estarem na base da degradação dos serviços públicos e garantiu que, se fosse Rui Rio o candidato, estaria ali na mesma. Aliás, espera mesmo estar ao lado do líder do PSD na campanha para as legislativas. Momento certo para mostrar o cartão vermelho ao Governo, porque, por enquanto, basta o cartão amarelo.

Cortegaça parecia a Indonésia

Depois da Ria, o mar. Paulo Rangel esteve, durante a tarde, na Praia de Cortegaça. Ouviu, do presidente da Câmara de Ovar, Salvador Malheiro, as explicações para o areal estar cada vez mais pequeno. O autarca revelou os esforços que estão a ser feitos para combater o fenómeno, antes do cabeça de lista do PSD usar da língua inglesa para falar com alunos de uma escola de surf – a Oporto Surf Camp.

O professor, Jonathan Dias, nasceu na Venezuela e aproveitou para agradecer a Rangel as palavras sobre aquele país. O candidato quis perceber as vantagens da “economia do surf” e da “economia azul” e terminou com uma pergunta: “o mar está ‘flat’?”

Jonathan contrapôs: “Parece a Indonésia! Os alunos estão maravilhados”.

Estava dado o mote para Rangel comparar o atual estado da campanha eleitoral com o estado do mar. “Nós estamos numa campanha picadinha. Ela ainda não está com umas ondas dignas de uma sinfonia de Beethoven, ou da Carmina Burana, que é normalmente ilustrada com o mar… Mas isso será mais para a frente. Mas já temos uma campanha picadinha”.

E não terminou sem “picar”o cabeça de lista socialista, depois de Pedro Marques ter dito que Rangel não tinha empatia com o povo. “Todo o ser humano tem direito à irritação e Pedro Marques também”, respondeu, de pés na areia e olhar no mar. Numa campanha ao ar livre, contra uma campanha socialista, que diz ser “de espaços fechados”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.