Tempo
|
A+ / A-

Itália

Cardeal “eletricista” devolve luz a 450 pessoas. Salvini quer que ele pague a fatura

13 mai, 2019 - 15:20 • Redação

A ação do cardeal Konrad Krajewski já foi criticada pelo Governo italiano, que pergunta se ele tenciona pagar a conta de 300 mil euros que era devida.

A+ / A-

O cardeal polaco Konrad Krajewski tomou a iniciativa de voltar a ligar pessoalmente a eletricidade de um prédio devoluto onde vivem cerca de 450 pessoas, incluindo 100 famílias.

As famílias estavam sem eletricidade desde o dia 6 de maio, quando esta foi cortada por uma dívida estimada em cerca de 300 mil euros.

Quando o cardeal – que enquanto esmoler pontifício é responsável por fazer chegar a ajuda do Papa aos mais pobres – soube do sucedido deslocou-se ao local e ativou ele mesmo a eletricidade.

Quem fez chegar a informação a Krajewski foi a irmã Adriana Domenici, que trabalha de perto com os sem-abrigo, incluindo as famílias que ocuparam o edifício estatal. Segundo a freira, em declarações à cadeia de televisão italiana Rai, quando os funcionários da companhia de eletricidade do Estado regressaram ao local, para voltar a desligar a corrente, encontraram uma nota manuscrita, assinada pelo cardeal e deixaram tudo como estava.

Fontes próximas do cardeal disseram à agência Adnkronos que “o cardeal está perfeitamente ciente das consequências legais, mas agiu convicto de que era necessário fazê-lo, para bem daquelas famílias”.

Quem não gostou do gesto do cardeal foi o ministro do Interior, Matteo Salvini, que já veio a público dizer que espera agora que o cardeal polaco pague a conta de 300 mil euros em dívida.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • pedro
    13 mai, 2019 faro 21:29
    Excelente!
  • Edna Pereira
    13 mai, 2019 Goias 15:34
    Fico feliz com a atitude do cardeal. È assim mesmo, o ser humano acima dos interesses económicos. Parabéns cardeal .

Destaques V+