A+ / A-
Vila Nova de Paiva

Parecem as Berlengas mas são as grutas de Queiriga e as pessoas fazem fila para as ver

09 mai, 2019 - 12:57 • Liliana Carona

Antigas minas, que atraem cada vez mais turistas nacionais e internacionais, estão subaproveitadas, diz presidente da Junta de Freguesia de Queiriga.
A+ / A-
Reportagem nas Minas de Queiriga, em Vila Nova de Paiva, da jornalista Liliana Carona
Reportagem nas Minas de Queiriga, em Vila Nova de Paiva, da jornalista Liliana Carona
Clique na imagem acima para ouvir a reportagem na íntegra. Foto: Liliana Carona/RR

A água azul e límpida faz lembrar uma qualquer ilha tropical mas, na verdade, estamos numa mina desativada em Queiriga, concelho de Vila Nova de Paiva. Apesar de o terreno onde está instalada pertencer a privados, há uma romaria diária a este local, que no início do século passado era local de exploração de estanho, volfrâmio e ouro.

Se ainda só houvesse máquinas analógicas a uso, muitos rolos se gastariam para tirar fotos ao azul turquesa da água estanque no interior da mina. Os curiosos fazem fila para tirar selfies num local onde, na segunda metade do século passado, Augusto Ferreira da Costa, 93 anos, trabalhou durante 10 anos.

Ainda se lembra? “Lembro", garante à Renascença. "Ainda me roeram os ossos, não era fácil partir as pedras todas, havia ruas para cada lado, e vínhamos descarregar em carrinhos tudo cá para fora, volfrâmio, estanho e até ouro”, recorda, acrescentando que “é pena não estar limpa e estar assim abandonada”.

Também o presidente da Junta de Freguesia de Queiriga, Augusto Moreira, sonha com outro destino, que não o abandono, para aquelas minas, até porque não faltam turistas interessados em visitar as grutas.

“Recebemos muitos e-mails, a perguntar quando podem visitar, eu digo que podem visitar mas que tenham atenção aos perigos, porque não estão garantidas condições de segurança, e que aquilo é propriedade privada, pertence à FELMICA - MINERAIS INDUSTRIAIS, S.A”, explica à Renascença.

O presidente da Junta não deixa de concordar que o espaço está subaproveitado. “Que aquilo é uma correria é, vejo muitos carros, aquilo tinha que ser um projeto camarário ou assim, com as verbas que recebemos não dá para fazer nada, mas que é bonito é”, assume, recordando que foram os Trails e o BTT, organizados pela comunidade local que potenciaram a descoberta destas grutas aos olhos dos internautas.

A beleza é subjetiva, dizem, e por isso a apreciação das minas de Queiriga ao critério de cada um que as viu ou viveu. “Para mim, que já andava cheio daquilo, não é bonito”, graceja o antigo mineiro Augusto Costa. O presidente da junta insiste: “Parece a beira mar, não digo que sejam as Berlengas, mas parecem.” O mineiro conclui: “Nunca andei lá nas praias…"

Com 575 habitantes, a aldeia mais francesa de Portugal, conhecida por quadruplicar o número de moradores no verão com a chegada dos emigrantes, é agora também conhecida por outro motivo, que já circula em sites de viagens nacionais e internacionais. Até turistas de longe fazem questão de ver o azul turquesa das grutas de Queiriga, aqui tão perto.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.