A+ / A-
Europeias 2019

PAN não exclui possibilidade de integrar nova "Geringonça"

09 mai, 2019 - 09:22 • ​​Marília Freitas​ , Miguel Coelho com Redação

O líder do partido Pessoas Animais e Natureza diz-se disponível para negociar uma solução maioritária com o PS na próxima legislatura. Em entrevista à Renascença, André Silva explica porque não vai aprovar a chamada lei dos professores.
A+ / A-
André Silva. “Queremos sentar o planeta em Bruxelas”
André Silva. “Queremos sentar o planeta em Bruxelas”

Veja também:


O PAN poderá sentar-se à mesa com o PS para apoiar um próximo Governo “perante determinadas condições”. André Silva admite que o partido Pessoas Animais e Natureza não se põe à margem “de apoiar uma solução verdadeiramente estável para o país”.

Contudo, o líder do PAN tem dúvidas de que seja possível repetir o atual acordo de governação na próxima legislatura, pelo menos, de forma estável. “Depois de um período de austeridade, onde a maior parte das reposições foram feitas, não nos parece que o PS possa acompanhar as mais profundas reivindicações da esquerda”, diz.

Mas, admite, “tudo é possível”. “Do PS já sabemos que tanto consegue fazer acordos com o PSD quando lhe dá jeito, como com os partidos de esquerda, quando lhe dá jeito. Mas na prática não é possível garantir estabilidade governativa durante quatro anos”, acrescenta.

Em entrevista à Renascença, André Silva criticou o comportamento dos partidos da esquerda e da direita no que respeita ao diploma de reposição do templo integral de serviço dos professores. Se por um lado, diz, os partidos de esquerda não conseguiram garantir a estabilidade governamental nesta matéria, por outro, “os partidos à direita venderam completamente os seus valores e ideologias” em função de ganhos eleitorais.

André Silva compreende a ameaça de demissão do primeiro-ministro, mas diz não perceber como é que isto acontece numa "Geringonça" que prometeu estabilidade governativa.

“Este processo legislativo fica marcado por uma falta de compromisso enorme por parte de todos os partidos, quer os que estão à esquerda do Partido Socialista, quer os que estão à direita, o que mancha a credibilidade destes partidos”, afirma o deputado do PAN.

O PAN não vai, por isso, aprovar a proposta de lei na votação final global marcada para esta sexta-feira. André Silva salienta que o texto final não cumpre os três princípios defendidos pelo partido: descongelamento de salários e carreiras especiais, o princípio da igualdade e a responsabilidade e sustentabilidade financeira.

O deputado concorda “em teoria” com a salvaguarda financeira proposta por PSD e CDS, mas considera que, na prática, “é uma falácia”.

Convidado no programa As Três da Manhã, numa semana em que são ouvidos os líderes partidários a propósito das eleições europeias,, André Silva traça como objetivo eleger “um eurodeputado ambientalista português” nas eleições de 26 de maio. Caso não consiga, admite, “será uma frustração”.

O Pessoas Animais e Natureza define-se como um partido europeísta, mas considera que há vários aspetos a melhorar no caminho percorrido pela União Europeia. “Queremos sentar o planeta em Bruxelas”, atira.

No que toca a propostas concretas, o PAN defende “que as energias devem ser 100% renováveis e limpas e que a União Europeia deve ser líder” nesse processo. “As metas que estão apontadas não chegam”, alerta André Silva. “A União Europeia tem que traçar novas metas no que toca a descarbonizar a economia, na mobilidade de pessoas e bens e no setor agro-alimentar”.

E neste último aspeto, o PAN contesta particularmente a atribuição de grande parte dos fundos europeus ao setor agro-alimentar, incluindo à indústria de produção animal, “que é altamente poluente”. “Não faz sentido”, afirma André Silva.

A Renascença entrevista esta semana os líderes partidários dos principais partidos concorrentes ao Parlamento Europeu. Pelo programa As Três da Manhã já passaram Assunção Cristas (CDS), Jerónimo de Sousa (PCP) e Catarina Martins (BE). Rui Rio e António Costa são os próximos entrevistados.

André Silva. "De vez em quando atiro muitas bolas ao poste"
André Silva. "De vez em quando atiro muitas bolas ao poste"
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    09 mai, 2019 Lisboa 18:01
    Acho que o costa está "expulsador" e não "angariador". BE ou PCP, um dos dois vai corrido se ele e o PS não precisarem dele. Duvido que precise de um partido oferecido e sem expressão, para completar o ramalhete ...
  • Joana Santos
    09 mai, 2019 11:15
    Está ao lado da direita nas questões laborais