A+ / A-

Carlos Silva não compreende “dramatismo” de Costa e acusa-o de eleitoralismo

04 mai, 2019 - 10:32 • Redação

A realizarem-se eleições antecipadas, estas poderão ser marcadas para meados de julho, segundo a edição deste sábado do “Público”
A+ / A-

Veja também


O líder da UGT, Carlos Silva, não compreende a carga dramática dada por António Costa à atual divergência com os partidos da oposição, por causa da recuperação das carreiras dos professores.

Costa ameaçou, na sexta-feira, que o Governo poderá demitir-se caso a lei seja aprovada pelo Parlamento, e acusa os partidos de falta de gratidão e de irresponsabilidade.

Questionado este sábado pela Renascença, o líder da UGT, Carlos Silva, diz que o primeiro-ministro está a tentar obter vantagens eleitorais.

“É uma medida justa, que se impunha. Assim não entendeu o primeiro-ministro”, começa por dizer Carlos Silva.

“Naturalmente não compreendemos este dramatismo, porque estamos a poucos meses das legislativas. O primeiro-ministro terá entendido que dramatizando esta questão poderá demonstrar ao país que, por ventura, a decisão em relação a defender exclusivamente os trabalhadores da administração pública, poderá trazer resultados eleitorais positivos.”

Mas para Carlos Silva, o resultado desta crise política tem sido o isolamento de Costa.

“A verdade é que esta obstinação levou a um isolamento do PS e do Governo, até das duas centrais sindicais. Veja bem a convergência! É neste caldinho de emoções que o primeiro-ministro ontem entendeu tomar esta decisão, que eu acho que é uma decisão drástica. Mas de qualquer forma, falar de crise política é um pouco exagerado.”

Caso a crise se desenrole e acabe mesmo por levar à demissão do Governo, o jornal “Público” diz que o cenário preferido pelo PS é de se realizarem eleições legislativas em meados de julho.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim Augusto
    08 mai, 2019 Algés 00:05
    Essa espécie de socialista de nome Carlos Silva, Secretário Geral da UGT, União de trabalhadores que representa a direita, que sabe representar os funcionários públicos, pois raramente defende os trabalhadores do setor privado, cada vez que abre a boca só saí disparates.